Efeitos e transformações gerados pelo turismo no contexto territorial do parque estadual do Ibitipoca, Minas Gerais, Brasil

Palavras-chave: Parque, Turismo, Impactos, Indicadores, Parque Estadual do Ibitipoca (MG)

Resumo

O Parque Estadual do Ibitipoca (PEIb), localizado em Minas Gerais, é uma das unidades de conservação mais visitadas do Brasil. Nos últimos anos, o parque tem recebido um número crescente de visitantes, com repercussões e transformações socioes-paciais diversas. Inspirados neste contexto, o presente trabalho tem por objetivo compreender os efeitos e impactos gerados pelo turismo no contexto territorial do PEIb. Esta investigação, de caráter qualitativo, envolveu levantamento bibliográfico e documental, elaboração participativa de um sistema de indicadores para a mensuração de impactos do turismo no PEIb, alimentação desse sistema de indicadores, através da realização de investigações em bases de dados oficiais e aplicação de questionários e entrevistas com segmentos sociais vinculados à realidade em estudo. Os resultados evidenciam uma influência significativa do turismo no contexto do PEIb, tanto positiva quanto negativa, e que muitos temas estratégicos são pouco considerados em âmbito das ações de ordenamento do ecoturismo no parque e em seu entorno direto.

Biografia do Autor

Altair Sancho-Pivoto, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.
Professor e Pesquisador do Departamento de Turismo da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Coordenador do Centro de Investigação em Turismo, Território e Desenvolvimento Socioambiental - CITURDES/UFJF. Doutor em Geografia (2016) pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais, Mestre em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social pelo Programa EICOS/UFRJ (2007) e Graduação em Turismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2004). Atua nas áreas de turismo, planejamento e ordenamento territorial, com ênfase nas interfaces com políticas públicas de turismo, projetos de desenvolvimento comunitário e áreas protegidas.
Alexandre Fonseca Alves, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.
Estudante de Geografia, modalidade Licenciatura pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Bolsista do GET/TUR - Grupo de Educação Tutorial e voluntário no CITURDES - Centro de Investigação em Turismo, Território e Desenvolvimento Socioambiental, coordenado por Altair Sancho Pivoto. Desenvolve projetos de pesquisa na área de turismo em unidades de conservação, seus impactos e implicações.
Vitor Nogueira Dias, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.
Graduado em Ciências Humanas e Bacharel em Turismo (UFJF). Atuou como bolsista de iniciação científica no âmbito do projeto “Desenvolvimento de Indicadores para a mensuração de Impactos do Turismo no contexto territorial do Parque Estadual do Ibitipoca (MG)”, coordenado por Altair Sancho Pivoto.

Referências

Balmford, A., Green, J. M. H., Anderson, M., Beresford, J., Huang, C., Naidoo, R. Manica, A. (2015). Walk on the wild side: Estimating the global magnitude of visits to protected areas. PLoS Biology, 13(2), e1002074. doi:10.1371/journal.
pbio.1002074 Bassotti, Gustavo (2003). Factores de calidad en ecoturismo. Una visión práctica para su aplicación. Estudios y Perspectivas en Turismo. Volumen 12, pp. 7-23.
Campos, Arminda; Bursztyn, Ivan; Delamaro, Maurício. (2016). Análise de iniciativas turísticas com base comunitária: os casos de Trindade (Paraty – RJ) e Conceição de Ibitipoca (Lima Duarte - MG). Disponível em
Cassiano, A.; Silva, D.; Severian, B.; Lopez-Richard, V. (2016). Desafíos de la capacitación y licenciamento de los guías de unidades de conservación. Núcleo Picinguaba del Parque Estadual Serra do Mar, São Paulo Brasil. Estudios y Perspectivas em Turismo, vol. 25, pp. 483-501.
Coleman, T. (2013). Influence of overnight recreation on grizzly bear movement and behavior in Yellowstone National Park. Ursus, v. 24, p. 101-110.
Cook, P. S. (2013). Impacts of visitor spending on the local economy: Mesa Verde National Park, 2012 (Natural Resource Report No. NPS/NRSS/EQD/NRR—2013/667). Fort Collins, CO: National Park Service.
Crompton, J. (2010). Measuring the economic impact of park and recreation services. Ashburn, VA: National Recreation and Park Association. (Research Series).
Cruz, R. C. A. (2007). Geografias do turismo. De lugares a pseudo-lugares. São Paulo: Roca.
Deery, M.; Jago, L.; Fredline, L. (2012). Rethinking social impacts of tourism research: A new research agenda. Tourism Management, v. 33, n.1, p. 64-73.
Eagles, P. J. (2002). Trends in park tourism: Economics, finance and management. Journal of Sustainable Tourism, 10(2),132–153.
Esteves, A.M.; Franks, D.; Vanclay, F. (2012). Social impact assessment: the state of the art. Impact Assess. Proj. Apprais. 30 (1), 34–42.
González, Rodrigo e Otero, Adriana. (2003). Metodo de evaluación cualitativa de impactos ambientales: una propuesta. Estudios y Perspectivas en Turismo, Volumen 12 p. 79 – 92.
Liu W., Vogt CA., Luo J., He G., Frank KA., Liu J. (2012). Drivers and Socioeconomic Impacts of Tourism Participation in Protected Areas. PLoS ONE 7(4): e35420. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0035420
Lobo, H. A. S.; Moretti, E. C. (2008). Ecoturismo: as práticas da natureza e a natureza das práticas em Bonito, MS. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. v. 2, n. 1, p. 43-71, mar.
Lopes, C. (2019). Os becos sem saída da sustentabilidade no turismo: Efeitos ambientais e sociais do crescimento urbano no distrito Serra do Cipó, Santana do Riacho/MG. Tese (Doutorado) Prog. Pós-Graduação em Geografia: UFMG.
Matheus, F. & Raimundo, S. (2017) Os resultados das políticas públicas de ecoturismo em Unidades de Conservação no Brasil e no Canadá. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, 11(3), pp. 454-479, set./dez.
Medeiros, R., & Young, C. E. F. (2011). Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Relato Rio Final (p. 120). Brasília: UNEP WCMC.
Rodríguez, J.; Vázquez, F.; Baltazar, E. (2018). Conflicto territorial, ecoturismo y cacería no regulada: el traslape de territorialidades en el Área Natural Protegida de Balam Kú. PASOS: Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, v. 16, p. 909-925, out.
Sancho, Altair & Alves, Alexandre. (2017). O estado da arte das pesquisas sobre impactos do turismo em parques: uma aproximação das experiências brasileiras. Rev. Latino-Am. Turismologia / RELAT, Juiz de Fora, v.3, n.1, pp.21 –36, Jan./Jun.
Sancho, Altair; Deus, José. (2015). Áreas Protegidas e Ambientes Urbanos: novos significados e transformações associados ao fenômeno da urbanização extensiva. Revista Sociedade & Natureza. v. 27, n. 2.
Semeia. (2014). Unidades de conservação no Brasil: A contribuição do uso público para o desenvolvimento socioeconômico/Instituto Semeia [Protected areas in Brazil: The contribution of public use to socioeconomic development/] (p. 53). São Paulo: Semeia Institute.
Serviço Social da Indústria/Observatório Regional Base de Indicadores de Sustentabilidade. (2010). Construção e Análise de Indicadores. Curitiba, PR.
Siikamaki, P., Kangas, K., Paasivaara, A., Schroderus, S. (2015). Biodiversity attracts visitors to national parks. Biodiversity and Conservation. http://dx.doi.org/10.1007/s10531-015-0941-5.
Soja, Eduard (2008). Postmetrópolis. Estudios críticos sobre las ciudades y las regiones. Madrid, 2008.
Souza, Thiago, Thapa, Brijesh, Rodrigues, Camila; Imori, Denise. (2017). Economic impacts of tourism in protected areas of Brazil. Journal of Sustainable Tourism, DOI: 10.1080/09669582.2017.1408633
Tavares, Fred & Irving, Marta (2009). Natureza S. A.: o consumo verde na lógica do Ecopoder. São Carlos: RIMA Editora.
Zeppel, H.; Muloin, S. (2008). Conservation Benefits of Interpretation on Marine Wildlife Tours. Human Dimensions of Wildlife, v. 13, p. 280-294.
Publicado
28-04-2020
Seção
Artigos