Modelo analítico de governança regional de turismo - MAGRET

Palavras-chave: Modelo analítico, Governança, Regionalização do turismo

Resumo

No Brasil a estrutura institucional relacionada as organizações contemporâneas que envolvem o cenário das políticas públicas de turismo, atua deliberadamente sobre o formato de instâncias de governanças regionais de turismo a partir de 2004 com o advento do Programa de Regionalização do Turismo (PRT) até os dias atuais. Neste sentido o presente estudo tem como objetivo apresentar o Modelo Analítico de Governanças Regionais de Turismo - MAGRET, que permita compreender as inter-relações dos seus atores nas múltiplas escalas dos poderes público, privado e do terceiro setor. O modelo foi aplicado em três regiões turísticas Brasileiras, a Costa Verde e Mar – SC, Região das Hortênsias – RS, e Polo Costa das Dunas – RN. Esses procedimentos perpassaram por etapas de natureza qualitativa e quantitativa, com qualificações exploratórias e explicativas, envolveram a pesquisa bibliográfica, documental e internet (base de dados). As análises utilizaram 14 categorias e 4 dimensões analíticas. As informações foram obtidas junto aos membros efetivos das governanças regionais, assim como dos documentos oficiais tais como (lei/decreto, regimento e estatuto). As análises ocorreram com aplicação do modelo analítico construído com auxílio das categorias e dimensões analíticas. O modelo foi aplicado através do uso da espiral de análise construída para compreender a gestão das governanças regionais. Os resultados foram classificados como efetivas e não efetivas. As efetivas são consideradas consolidadas, tendo o cuidado de mantê-las de forma equilibrada. As não efetivas, devendo ser aprimoradas, utilizando sempre a base das dimensões que apontaram quais as categorias necessitam de maior atenção.

Biografia do Autor

Cálidon Costa Conceição, Universidade do vale do Itajai, Univali, Florianópolis, SC, Brasil.
Doutor e Mestre em Turismo e Hotelaria pela universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI - SC, com doutorado sanduíche pela Universidade de Alicante - Espanha. CEO da APRI Consultoria.

Referências

Ahrens, Joachim. (2006). Governance in the process of economic transformation. Draft version.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições.

Brasil. Ministério do Turismo. (2007). Módulo operacional 3: instituição da instância de governança regional. Brasília: MTur.

Bramwell, B., Lane, B.(2011) Critical research on the governance of tourism and sustainability. Journal of Sustainable Tourism, 19, 411-421. https://doi.org/10.1080/09669582.2011.580586 DOI: https://doi.org/10.1080/09669582.2011.580586

Brewer, J., Hunter, A. (1989). Multimethod research: a synthesis of styles. Newbury Park, CA: Sage.

Bruner J. Sobre a teoria da instrução. (2006). São Paulo: PH Editora.

Conceição. Cálidon C. (2018). Modelo de Governança Regional de Turismo - MAGRET. Balneário Camboriú: UNIVALI, 2018. 402F. Tese (Doutorado em turismo e hotelaria) – Programa de Pós-graduação em turismo e hotelaria, Universidade do vale do Itajaí, Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brasil.

Conceição, C.C., Dos Anjos, F.A., dos Anjos, G.S.J. (2019) Power Relationship in the Governance of Regional Tourism Organizations in Brazil. Sustainability, 11 (3062), 1-15. https://doi.org/10.3390/su11113062 DOI: https://doi.org/10.3390/su11113062

Creswel, John W. (2014). Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Porto Alegre: Penso.

Crespo, Antonio A. (2099). Estatística fácil. 19 ed. São Paulo. Saraiva.

Diehl, Astor A. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall.

Dubois, Hans F.W. (2002) Harmonization of the European vaccination policy and the role TQM and reengineering could play. Quality Management in Health Care, 10(2): 47–57. https://doi.org/10.1097/00019514-200210020-00009 DOI: https://doi.org/10.1097/00019514-200210020-00009

Fernandes, Laura M., Coriolano, Luzia N. (2015) A governança na política nacional de regionalização do turismo: es-tudo dos grupos gestores dos destinos indutores do Ceará. Revista Turismo Visão e Ação - Eletrônica, 17(2), 1-33. https://doi.org/10.14210/rtva.v17n2.p. 247-278

Flick, Uwe. (2002). Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

Hair JR. F. et. al. (2005). Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Freund, J. E., Simon, G. A. (2000). Estatística aplicada. 9. ed. Porto Alegre: Bookman.

Hall, C. M. (2011) Policy learning and policy failure in sustainable tourism governance: from first- and second-order to third-order change?. Journal of Sustainable Tourism, s.l, 19 (4), 649–671. https://doi.org/10.1080/09669582.2011.555555 DOI: https://doi.org/10.1080/09669582.2011.555555

Kolb D. (1984). Experiential learning. Englewwood Cliffs: New Jersey Prentice Hall.

Martins, G. A., Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Michel, Maria H. (2009). Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Mishler E. (1990) Validation in Inquiry-Guided Research: The Role of Exemplars in Narrative Studies. Harvard Educati-onal Review, 60(4), 415-443. https://doi.org/10.17763/haer.60.4.n4405243p6635752 DOI: https://doi.org/10.17763/haer.60.4.n4405243p6635752

Olsson, Giovanni. (2007). Poder político e sociedade internacional contemporânea: governança global com e sem governo e seus desafios e possibilidades. Ijuí: Ed. Unijuí.

Piaget J. (2003). Biologia e conhecimento: ensaio sobre as relações entre as regulações orgânicas e os processos cognoscitivos. 4. ed. Petrópolis: Vozes.

Reis, Elizabeth. (1998). Estatística descritiva. Lisboa: Silabo.

Rhodes, R. (2007) Understanding governance: tem years on. Organizationa studies, 28(8), 43-67. https://doi.org/10.1177/0170840607076586 DOI: https://doi.org/10.1177/0170840607076586

Richardson, Robert, J. et al. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Ruschmann, D. V. M., Anjos, F. A. Arnhold Júnior. M.A. (2017) Indicadores de avaliação de governança em destinos turísticos: uma análise de aplicabilidade dos modelos propostos. Applied tourism, 2(1), p. 128-148. https://doi.org/10.14210/at.v2n1.p128-148 DOI: https://doi.org/10.14210/at.v2n1.p128-148

Seixas, J., Mas, A.A.I. (2010) Urban Governance in the South of Europe: cultural identities and global dillemmas. Aná-lise Social, Lisboa, 197,771-787

Severino, A. J. (2007) Metodologia do trabalho científico. 23 ed. São Paulo: Cortez.

Stoker, Gerry. (1998) Governance as theory: five propositions. International Social Science Journal, 50, 17-28. https://doi.org/10.1111/1468-2451.00106 DOI: https://doi.org/10.1111/1468-2451.00106

Vásquez-Barquero, Antonio. (2000) Desarrollo endógeno y glo - balización. Revista Latinoamericana de estudios urba-nos regional Revista Latinoamericana de estudios urbanos regionales – EURE. Santiago, 26 (790). https://doi.org/10.4067/S0250-71612000007900003 DOI: https://doi.org/10.4067/S0250-71612000007900003

Velasco, María. (2016) Entre el poder y la racionalidade: gobierno del turismo, política turística, planificación turística y gestión pública del turismo. Pasos – Eletrônica, 14(3), edição especial, 577-594. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2016.14.038 DOI: https://doi.org/10.25145/j.pasos.2016.14.038

Vielajus, M., Sauquet M. (2007) Corporate responsibility in the multi-stakeholder collaboration in social Governance. In: Private interests and democracy: The Role of Large Enterprises in Democracy and Society. Cracóvia.

Wang, J., LI, T. Review on tourist destination governance in foreign countries. Tourism Tribune. 28(6), 15-25.

Zhang, PineH.Q; R; Lam, T. (2005). Tourism and hotel development in China: from political to economic success. Ho warth: Haworth Hospitality Press.

Publicado
29-04-2020
Seção
Artigos