Metodologia para Mensuração das Atividades Características do Turismo

uma aplicação para o Brasil e suas Unidades da Federação

Palavras-chave: Produção turística, Economia e Turismo, Indicadores econômicos do turismo

Resumo

O objetivo desse artigo é propor uma metodologia para mensurar o tamanho das atividades características do turismo. A proposta parte do princípio da mensuração pelo lado da oferta utilizando as mesmas técnicas empregadas para mensuração das atividades no âmbito das Contas Nacionais e Regionais. Utilizando dados do Brasil e de suas Unidades da Federação, entre os anos de 2010 a 2015, os resultados encontrados apontaram que quanto a contribuição das atividades características do turismo no valor adicionado nacional, os estados litorâneos tendem a se destacar, as regiões Sul e Sudeste são hegemônicas em termos nominais e foi possível observar um decrescimento real no turismo em 2015.

Biografia do Autor

Caio César Soares Gonçalves, Fundação João Pinheiro (FJP), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Pesquisador da Fundação João Pinheiro (FJP). Doutorando em População, Território e Estatística Pública da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Ence/IBGE). Graduado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) e mestre em economia aplicada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, estuda macroeconomia, séries temporais, produção e análise de estatísticas oficiais, economia dos serviços e o turismo sob a perspectiva econômica.

Diomira Maria Cicci Pinto Faria, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Professora de Economia do Turismo no Departamento de Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil (UFMG). Graduado em Economia (PUC-MG), especialização em Estatística (UFMG), mestre em Turismo pela Universidade de Alicante (Espanha), doutorado em Economia pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR-UFMG) em cotutela pela Universidade de Alicante (Espanha). Líder do grupo de pesquisa Turismo, Economia, Cultura e Território - TECT CNPq. Seus interesses de pesquisa se concentraram no turismo, cultura, economia e desenvolvimento regional, impacto do turismo e da pobreza e relações internacionais. Sua tese ganhou o Prêmio de Economia Criativa 2012 (MINC) na categoria Impacto Econômico.

Tatiana de Almeida Pires Horta, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Graduada em Turismo pela Universidade Federal de Minas Gerais. Participou do grupo de pesquisa Turismo, Economia, Cultura e Território - TECT CNPq do Departamento de Geografia da UFMG. Estuda a economia do turismo no Brasil e na América Latina, além de interesse em estudos do lazer e esporte

Referências

Akkemik, K. A. (2012). Assessing the importance of international tourism for the Turkish economy: A social accounting matrix analysis. Tourism Management, 33(4), 790‐801. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2011.09.002 DOI: https://doi.org/10.1016/j.tourman.2011.09.002

Araújo, E.; Lino, L., & Feitosa, P. (2015). Impactos do Turismo sobre o Emprego na Região Metropolitana de Vitória-ES: uma aplicação de coeficientes de demanda. Turismo em Análise, 26(3), 518-540. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v26i3p518-540 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v26i3p518-540

Camargo, F. S.; Takasago, M.; Guilhoto, J. J. M.; Farias, W. R.; Imori, D.; Mollo, M. L. R., & Andrade, J. P. (2008). O Turismo e a Economia Brasileira: uma discussão da matriz de insumo-produto. In: Congresso da APDR, 14., 2008. [Anais eletrônicos...] Portugal: Tomar, 1-16.

Casimiro Filho, F. (2002). Contribuições do turismo à economia brasileira (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo. https://doi.org/10.11606/T.11.2002.tde-03022003-162953 DOI: https://doi.org/10.11606/T.11.2002.tde-03022003-162953

Cassimiro Filho, F., & Guilhoto, J. (2003). Matriz de Insumo-Produto para a economia turística brasileira: cons-trução e análise das relações intersetoriais. Análise Econômica, 21(40), 227-263. https://doi.org/10.2139/ssrn.2410386 DOI: https://doi.org/10.2139/ssrn.2410386

Dwyer, L. (2015). Computable general equilibrium modelling: an important tool for tourism policy analysis. Tourism and Hospitality Management, 21(2), 111‐126. https://doi.org/10.20867/thm.21.2.1 DOI: https://doi.org/10.20867/thm.21.2.1

Faria, D. M. C. P. (2014). Turismo cultural y desarrollo regional: la metrópolis como referencia. Periferica, 15, 447-469. https://doi.org/10.25267/Periferica.2014.i15.30 DOI: https://doi.org/10.25267/Periferica.2014.i15.30

Faria, D. M. C. P. (2017). Um museu no meio do caminho: Inhotim e o desenvolvimento regional. Curitiba, Prismas.

Frechtling, D. C., & Horvath, E. (1999). Estimating the multiplier effects of tourism expenditures on a local economy through a regional input‐output model. Journal of Travel Research, 37(4), 324‐332. https://doi.org/10.1177/004728759903700402 DOI: https://doi.org/10.1177/004728759903700402

Frechtling, D. C. (2010). The tourism satellite account: A primer. Annals of Tourism Research, 37(1), 136‐153. https://doi.org/10.1016/j.annals.2009.08.003 DOI: https://doi.org/10.1016/j.annals.2009.08.003

Fundação de Economia e Estatística - FEE (2016). Atividades Características do Turismo no RS em 2013: Valor Adicionado Bruto no Estado, Regiões do Turismo e municípios. Porto Alegre: FEE.

Fundação João Pinheiro - FJP (2017). Economia do Turismo de Minas Gerais (2010-2014). Belo Horizonte: FJP.

Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas – Fipe (2010). Estudos de impactos socioeconômicos poten-ciais dos investimentos do Prodetur Nacional Rio de Janeiro. São Paulo: Fipe, 1-110.

Gonçalves, C. (2016). Valor adicionado do turismo de Minas Gerais: um cálculo com os coeficientes de aten-dimento turístico. Boletim de Conjuntura Econômica de Minas Gerais, 9(2), 59-71.

Gonçalves, C. C. S.; Faria, D. M. C. P. & Horta, T. A. P. (2020). Base de dados do artigo Metodologia para men-suração das atividades características do turismo: uma aplicação para o Brasil e suas Unidades da Federa-ção, Mendeley Data, v. 2.

Guilhoto, J.; Oliveira, A., & Grameiro, A. (2001). Notas metodológicas de construção da matriz de insumo-produto para economia brasileira para 1999. Piracicaba: DEAS/ESALQ/USP.

IBGE (2012). Economia do turismo: uma perspectiva macroeconômica: 2003-2009. Rio de Janeiro: Estudos e Pesquisas, 18.

IBGE (2015). Nota metodológica da série do PIB dos municípios referência 2010. Rio de Janeiro.

IBGE (2019). Sistema de contas nacionais: Brasil 2017. Rio de Janeiro: Contas Nacionais, 67.

Ipea (2006). Metodologia do cálculo dos coeficientes de atendimento turístico e estimativas relativas ao emprego formal no setor do turismo com base nos dados da RAIS. Brasília: Ipea.

Kadota, D., & Rabahy, W. (2003). Conta Satélite de Turismo no Brasil: método de avaliação do impacto eco-nômico do turismo. Revista Turismo Em Análise, 14(1), 65-84. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v14i1p65-84 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v14i1p65-84

Leontief, W. (1986). Input‐Output Economics. Oxford: Oxford University Press. https://doi.org/10.1057/978-1-349-95121-5_1072-1 DOI: https://doi.org/10.1057/978-1-349-95121-5_1072-1

Nodari, M. (2017). As Contribuições do Turismo para a Economia de Foz do Iguaçu. (Tese de Doutorado). Univer-

sidade Federal do Paraná, Curitiba.

Rabahy, W. A. (2019). Análise e perspectivas do turismo no Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 14(1), 1-13. https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i1.1903 DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i1.1903

Rabahy, W. A., & Rejowski, M. (2001). Experiência brasileira em contas nacionais do turismo. Turismo em Análise, 12(2), 32-42. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v12i2p32-42 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v12i2p32-42

Santos, G. (2016). Pesquisa científica em economia do turismo no Brasil. Revista Turismo & Desenvolvimen-to, 26, 79-88.

Santos, G. & Kadota, D. (2012). Economia do Turismo. São Paulo: Aleph.

Souza, P.; Guilhoto, J., & Silveira Neto, R. (2015). O setor de turismo na Região Nordeste: Medidas e Impactos a partir da Matriz Insumo-Produto Inter-Regional. In: Encontro de Economia Baiana, 11., 2015. [Anais eletrôni-cos...] Salvador: Economia Regional, 434-455.

Takasago, M., & Andrade, J. (2008). O modelo de Equilíbrio Geral Computável e o turismo no Brasil. Economia do turismo no Brasil. In: A economia do turismo no Brasil. Brasília: SENAC/DF. 41-80. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v22i2p445-469 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v22i2p445-469

Takasago, M.; Guilhoto, J.; Mollo, M., & Andrade, J. (2010). O potencial criador de emprego e renda do turismo no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico – PPE. 40(3), 431-460.

Takasago, M., & Mollo, M. (2011). O potencial gerador de crescimento, renda e emprego do turismo no Distri-to Federal - Brasil. Turismo em Análise, 22(2), 445-469, 2011.

UNStats (2008a). International Recommendations for Tourism Statistics 2008. New York: United Nations, Department of Economic and Social Affairs ‐ Statistics Division. https://doi.org/10.1787/9789264274105-en DOI: https://doi.org/10.1787/9789264274105-en

UNStats (2008b). Tourism Satellite Account: Recommended Methodological Framework 2008. New York: United Nations, Department of Economic and Social Affairs ‐ Statistics Division.

World Travel & Tourism (2018). World Travel & Tourism Council: Travel & Tourism Economic Impact 2018. Londres, Inglaterra: WTTC.

World Travel & Tourism (2019). World travel & tourism. WTTC Data Gateway.

Publicado
01-09-2020