Práticas de gamificação em turismo

uma análise a partir do modelo de Werbach & Hunter (2012)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v15i3.2067

Palavras-chave:

Turismo, Gamificação, Inovação, Experiência, Werbach e Hunter.

Resumo

Produtos turísticos inovadores estão surgindo mundo afora como resposta ao clima de cres-cente competitividade no setor. Entre as iniciativas existentes, algumas buscam engajar pessoas, motivar a satisfação e transformar a experiência do usuário através da gamificação. Ao mesmo tempo, há uma carência de estudos sobre os elementos empregados nestas inici-ativas. Diante disto, o presente estudo objetivou analisar práticas (nacionais e internacionais) de gamificação no turismo. Trata-se, portanto, de uma pesquisa exploratória-descritiva que empregou o método da revisão sistemática para identificar práticas de gamificação no turis-mo em todo o mundo. As pesquisas foram feitas a partir de palavras-chave em inglês, fran-cês, espanhol e português, nas seguintes bases de dados: Portal de Periódicos da Capes, Science Direct, Publicações em Turismo (da USP) e website “Gamification in Tourism”. Após o levantamento inicial, seguido da aplicação de critérios de inclusão e exclusão restaram 40 práticas, que foram analisadas à luz do modelo de Werbach e Hunter (2012). Os principais achados do estudo foram que: todas as práticas contemplaram ao menos um dos 27 elemen-tos de jogos propostos por Werbach e Hunter (2012); os elementos de jogos mais frequentes foram “Desafio”, “Progressão”, “Feedback”, “Missão” e “Conquistas”; e os menos frequentes foram “Boss”, “Chance”, “Times” e “Presentes”. A principal conclusão do estudo foi que a frequência dos elementos identificados sugere uma preocupação das práticas analisadas em proporcionar uma maximização da experiência para o visitante; ou seja, a gamificação está sendo utilizada para proporcionar experiências memoráveis, e não simplesmente como um passatempo. Por fim, convém referir que se trata de um estudo original e cujo valor reside em difundir conhecimento sobre um tema que, embora importante, ainda é pouco discutido pela literatura científica nacional.

Biografia do Autor

Wilma Barros da Paixão, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Pernambuco, Recife, Brasil.

Bacharel em Engenharia Biomédica (UFPE). Discente do curso de Bacharelado em Turismo (UFPE) e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA) da Universidade Federal de Pernambuco.

Itamar José Dias e Cordeiro, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Pernambuco, Recife, Brasil.

Professor Adjunto da Universidade Federal de Pernambuco. Docente do Departamento de Hotelaria e Turismo (DHT-UFPE) e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA-UFPE).

Referências

Akobeng, A. K. (2005). Understanding systematic reviews and meta-analysis. Archives of Disease in Childhood, 90(8), p. 845–848. https://doi.org/10.1136/adc.2004.058230

Alves, F. (2015). Gamification: Como criar experiências de aprendizagem engajadoras. Um guia completo: do conceito à pratica. DVS Editora.

Alves, P. (2003). A história dos jogos e a constituição da cultura lúdica. Linhas, 4(1), p. 1–15. http://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1203/1018

Avila, A. (2015). Smart destinations: XXI century tourism. ENTER 2015 Conference on Information and Communication Technologies in Tourism, p. 4–6.

Burke, B. (2014). Gamify: how gamification motivates people to do extraordinary things. Gartner.

Carli, I., Gastal, S., & Gomes, M. (2016). Pokémon Go, Realidade Aumentada e Georeferenciamento: A Gamificação nas suas Possibilidades para o Turismo. Revista Hospitalidade, 13(Especial), p. 1–17. https://doi.org/10.21714/1807-975x.2016v13nep0117b

Chou, Y.-K. (2015). Actionable Gamification: Beyond Points, Badges, and Leaderboards. Octalysis Media.

Costa, A., & Marchiori, P. (2016). Gamificação, elementos de jogos e estratégia: uma matriz de referência. InCid, 6(2), p. 44–65. https://doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v6i2p44-65

Costa, A., & Zoltowski, A. (2014). Como escrever um artigo de revisão sistemática. In Manual de produção científica. Penso.

Deterding, S., Dixon, D., Khaled, R., & Nacke, L. (2011). From game design elements to gamefulness. Proceedings of the 15th International Academic MindTrek Conference on Envisioning Future Media Environments - MindTrek ’11, p. 9–15. https://doi.org/10.1145/2181037.2181040

Díaz Luque, P., & Correa, C. H. W. (2017). Gamificación y destinos turísticos. Clasificación de los juegos desde el punto de vista de las organizaciones de destinos turísticos. Revista Internacional de Organizaciones, 18, p. 73–86. https://doi.org/10.17345/rio18.73-86.

Fernandéz-Ríos, L., & Buela-Casal, G. (2009). Standards for the preparation and writing of Psychology review articles. International Journal of Clinical and Health Psycology, 9, p. 329–344.

Ferrara, J. (2012). Playful Design: Creating Game Experiences in Everyday Interfaces. Rosenfeld Media.

Ferreira, S., Alves, A., & Quico, C. (2014). Location Based Transmedia Storytelling in Social Media–Peter’s TravelPlot Porto Case Study. E-Review of Tourism Research (ERTR) ENTER 2014 Conference.

Fitz-Walter, Z. J. (2015). Achievement Unlocked: Investigating the Design of Effective Gamification Experiences for Mobile Applications and Devices. [Tese: Doutorado em Filosofia]. Queensland University of Technology.

Fraga, R. P. (2017). O uso da Gamificação para o aumento da produtividade: um experimento em uma empresa de desenvolvimento de software [Dissertação (Mestrado em Administração), Universidade Presbiteriana Mackenzie].

García, C. L. (2017). Realidades Virtual e Aumentada : estratégias de Metodologias Ativas nas aulas sobre Meio Ambiente Virtual and Augmented Realities : strategy of Active Methodologies in classes about Environment. Informática Na Educação: Teoria & Prática, 20(1), p. 46–59. https://doi.org/10.22456/1982-1654.70613

Gee, J. P. (2009). Bons video games e boa aprendizagem. Perspectiva, 27(1), 167–178. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2009v27n1p167 .

Gomes, E. L., Gándara, J. M., & Ivars Baidal, J. A. (2017). ¿Es importante ser un destino turístico inteligente? La comprensión de los gestores públicos de los destinos del estado de Paraná. Revista Brasileira de Pesquisa Em Turismo, 11(3), p. 503–536. https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i3.1318

Hamari, J. (2019). Gamification. The Blackwell Encyclopedia of Sociology, 1–3. https://doi.org/10.1002/9781405165518.wbeos1321

Herzig, P. (2014). Gamification as a Service - Conceptualization of a Generic Enterprise Gamification Platform. [Tese: Doutorado em Engenharia, Technische Universität Dresden]. https://www.researchgate.net/publication/261502701_A_Generic_Platform_for_Enterprise_Gamification

Hjalager, A.-M. (2010). A review of innovation research in tourism. Tourism Management, 31(1), p. 1–12. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2009.08.012

Huizinga, J. (2000). Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura (4 ed.).

Hunicke, R., Leblanc, M., & Zubek, R. (2004). MDA: A Formal Approach to Game Design and Game Research. Game Developers Conference.

Kapp, K. (2012). The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. Pfeiffer.

Kim, T. W., & Werbach, K. (2016). More than Just a Game: Ethical Issues in Gamification More than Just a Game: Ethical Issues in Gamification. Ethics and Information Technology, 18(2). https://doi.org/10.1007/s10676-016-9401-5

Kuutti, J. (2013). Designing Gamification [Dissertação: Marketing, Oulu Business School]. http://jultika.oulu.fi/files/nbnfioulu-201306061526.pdf

Marins, D. (2013). Um processo de gamificação baseado na teoria da autodeterminação [Dissertação: Ciências em Engenharia de Sistemas e Computação]. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Mazaro, R., & Panosso Netto, A. (2011). Competitividade e inovação em turismo. In M. C. Beni (Ed.), Políticas públicas e planejamento estratégico em clusters de turismo (pp. 437–452). Manole.

McGonigal, J. (2010). Gaming can make a better world. https://www.ted.com/talks/jane_mcgonigal_gaming_can_make_a_better_world/

McGonigal, J. (2011). Reality is broken: Why games can make us better and how they can change the world. The Pinguin Press.

Negruşa, A., Toader, V., Sofică, A., Tutunea, M., & Rus, R. (2015). Exploring Gamification Techniques and Applications for Sustainable Tourism. Sustainability, 7(8), p. 11160–11189. https://doi.org/10.3390/su70811160

Nunes, M., & Mayer, V. (2014). Mobile technology, games and nature areas: The tourist perspective. Tourism & Management Studies, 10(1), p. 53–58. http://www.scielo.mec.pt/pdf/tms/v10n1/v10n1a08.pdf

Pereira, D. (2017). Um guia para elaboração de projetos baseados em gamificação aplicada ao turismo: Estudo de caso no Geopark Araripe [Dissertação: Ciência da Computação]. Universidade Federal de Pernambuco.

Pereira, D., Gama, K., Silveira, C., & Cordeiro, I. (2019). Creación de un prototipo y test de una aplicación para la gamificación de la visita al geoparque de Araripe (Ceará - Brasil). Estudios y Perspectivas En Turismo, 28(4), p. 1021–1031. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7070072

Pine, B., & Gilmore, J. (1999). The Experience Economy. Harvard Business Review Press.

Rapp, A., Hopfgartner, F., Hamari, J., Linehan, C., & Cena, F. (2019). Strengthening gamification studies: Current trends and future opportunities of gamification research. International Journal of Human Computer Studies, 127, p. 1–6. https://doi.org/10.1016/j.ijhcs.2018.11.007

Rodrigues, R., Pereira, M., & Añaña, E. (2015). Competitividade de Destinos Turísticos: Avaliação da Cidade de Rio Grande. Rosa Dos Ventos, 7(4), p. 541–560. http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v7iss4p541

Sampieri, H., Collado, C., & Lucio, M. (2013). Metodologia da pesquisa. Penso.

Santos, S., & Gândara, J. (2016). Destino turístico inteligente: construção de um modelo de avaliação com base em indicadores para planejamento, gestão e controle de destinos histórico-culturais patrimônio da humanidade, analisando o caso de São Luís (Maranhão, Brasil). CULTUR: Revista de Cultura e Turismo, 10(2), p. 69–79.

Schell, J. (2014). The Art of Game Design: A Book of Lenses (2nd ed.). CRC Press.

Sigala, M. (2015). The application and impact of gamification funware on trip planning and experiences: the case of TripAdvisor’s funware. Electronic Markets, 25(3), p. 189–209. https://doi.org/10.1007/s12525-014-0179-1

Silva, J. (2014). Gamificação em aplicações móveis para atividades turísticas baseadas em geolocalização [Dissertação: Media e Interativos, Universidade do Minho]. http://hdl.handle.net/1822/34236

Soares, J. C., & Conceição, R. B. (2016). A Aplicação Do Conceito De Cidade Inteligente No Turismo. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, 10(19), p. 128–145. https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/8536/6816

Souza, V., & Marques, S. (2017). Gamificação e marketing para um turismo sustentável: uma revisão exploratória. Turismo e Desenvolvimento, 1(27/28), p. 773–788. http://revistas.ua.pt/index.php/rtd/article/view/6999/5496

Souza, V., Varum, C., & Eusébio, C. (2017). O Potencial da Gamificação para Aumentar a Competitividade dos Destinos Turísticos: revisão de literatura baseada na Scopus. Revista Turismo Em Análise, 28(1), p. 91–111. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v28i1p91-111

Taufer, L., & Ferreira, L. (2019). Realidade Virtual no Turismo: Entretenimento ou Mudança de Paradigma? Rosas Dos Ventos, 11(1), p. 908–921. https://doi.org/1http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v11i4p908

Treiblmaier, H., & Putz, L. M. (2020). Gamification as a moderator for the impact of intrinsic motivation: Findings from a multigroup field experiment. Learning and Motivation, 71(April 2019), 101655. https://doi.org/10.1016/j.lmot.2020.101655

Tutunea, M. (2017). Gamification: Solutions dedicated to tourism industry and their use in Romania. The USV Annals of Economics and Public Administration, 17(1), p. 166–174. http://www.annals.seap.usv.ro/index.php/annals/article/viewArticle/982

Weber, J. (2014). Gaming and Gamification in Tourism. Digital Tourism Think Tank. https://thinkdigital.travel/wp-content/uploads/2014/05/Gamification-in-Tourism-Best-Practice.pdf

Werbach, K., & Hunter, D. (2012). For the Win: How Game Thinking Can Revolutionize Your Business. Wharton Digital Press.

Xu, F., Buhalis, D., & Weber, J. (2017). Serious games and the gamification of tourism. Tourism Management, 60, p. 244–256. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2016.11.020

Xu, F., Tian, F., Buhalis, D., Weber, J., & Zhang, H. (2015). Tourists as Mobile Gamers: Gamification for Tourism Marketing. Journal of Travel & Tourism Marketing, 33(8), p. 1124–1142. https://doi.org/10.1080/10548408.2015.1093999

Xu, F., Weber, J., & Buhalis, D. (2014). Gamification in Tourism. In Information and Communication Technologies in Tourism 2014. https://www.researchgate.net/publication/284995062_Gamification_in_Tourism

Xu, Y. (2012). Literature Review on Web Application Gamification and Analytics. CSDL Technical.

Zichermann, G., & Cunningham, C. (2011). Gamification by Design: Implementing Game Mechanics in Web and Mobile Apps. O’Reilly Media.

Publicado

2021-06-02