A atualidade turística do caso da Gripe Espanhola na cidade do Rio de Janeiro (Sept. 1918 - Mar. 1919).

Palavras-chave: História do Turismo, Epidemias, Gripe Espanhola, Covid-19.

Resumo

Este trabalho investiga o surto epidêmico da gripe espanhola que assolou a cidade do Rio de Janeiro em 1918, com o objetivo de que esse caso histórico possa contribuir na compreensão da relação entre turismo e epidemias – e, por consequência, da própria pandemia da Covid-19. Para isso, a pesquisa se vale do método histórico de investigação, com base em fontes primárias e revisão bibliográfica. A principal fonte histórica utilizada são os jornais cariocas de época, explorados por meio de escrutínio no acervo da Biblioteca Nacional Digital. Além dessa fonte, foram utilizados, secundariamente, crônicas, romances e memórias. Como resultado da investigação, infere-se que o surto epidêmico da gripe espanhola impactou, sob múltiplos aspectos, a atividade turística na cidade do Rio de Janeiro, dentre os quais se destaca o seu papel no desenvolvimento do turismo de massas.

Biografia do Autor

Alan Nascimento, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Diamantina, MG

Professor Associado do Curso de Turismo e do Mestrado em Estudos Rurais da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Graduado em Turismo, Mestre em Ciências Sociais (Sociologia), Doutor em Geografia e possui pós-doutorado em Estudos do Lazer. Desenvolve pesquisas relacionadas à sociologia e à história do turismo e do lazer

Referências

Ambrozio, J. C. G. (2008). O Presente e o passado no processo urbano da cidade de petrópolis: Uma história territorial. (Tese de Doutorado, Programa Pós-Graduação em Geografia Humana, Faculdade de Filosofia, Le-tras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo). Recuperado de https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-06012009-163050/pt-br.php

Belchior, E., & Poyares, R. (1987). Pioneiros da hotelaria no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: Senac.

Borde, A. B. (2016). À sombra dos mortos sem caixão: memórias da gripe espanhola em crônicas de Nelson Rodrigues. Revista Recorte. 13 (2), 1-14. Recuperado de http://periodicos.unincor.br/index.php/recorte/article/view/2864

Brito, N. A. (1997). “La dansarina”: A gripe espanhola e o cotidiano na cidade do Rio de Janeiro. Revista Histó-ria, Ciências, Saúde – Manguinhos, 4 (1), 11-30. https://doi.org/10.1590/S0104-59701997000100002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59701997000100002

Câmara, R. S. (2020). O carnaval do fim do mundo: como a gripe espanhola revolucionou a folia carioca. 360 Meridianos. Recuperado de https://www.360meridianos.com/especial/carnaval-rio-1919-gripe-espanhola

Carvalho, A. (2020, 22 de abril). O legado da gripe espanhola para a luta contra a Covid-19. Superinteressan-te. Recuperado em 20 maio 2020 de https://super.abril.com.br/especiais/as-licoes-da-gripe-espanhola/. Acesso em: 20 maio 2020.

Castro, R. (1992). O anjo pornográfico. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Castro, R. (2017). Carnaval no Escuro. Folha de São Paulo. Recuperado em 03 mar. 2020 de https://www1.folha.uol.com.br/colunas/ruycastro/2017/03/1863198-carnaval-no-escuro.shtml

Caulfield, S. (2000). Em defesa da honra: Moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940). Campinas, SP: Editora Unicamp.

Chalhoub, S. (2015). Trabalho, lazer e botequim: O cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da Belle Époque. 2a ed. Campinas, SP: Editora Unicamp.

Cony, C. H. (1996, 19 de fevereiro). O carnaval da peste. Folha de São Paulo. Recuperado em 19 fev. 2020 de https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/2/19/opiniao/7.html

Daibert, A. B. D. (2010). História do turismo em Petrópolis entre 1900 e 1930. (Dissertação de Mestrado, Mestrado Profissional em Bens Culturais e Projetos Sociais, Fundação Getúlio Vargas). Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/6568

Enders, A. (2008). A História do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: Gryphus.

Franco, O. (1969). A História da Febre Amarela no Brasil. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/0110historia_febre.pdf

Goulart, A. D. (2005). Revisitando a espanhola: A gripe pandêmica de 1918 no Rio de Janeiro. Revista Histó-ria, Ciências, Saúde – Manguinhos. 12 (1), 101-142. https://doi.org/10.1590/S0104-59702005000100006 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702005000100006

Guimarães, V. (2012). O Turismo levado a sério: discursos e relações de poder no Brasil e na Argentina (1933-1946). (Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em História Comparada, Universidade Federal do Rio de Janeiro) Recuperado de http://objdig.ufrj.br/34/teses/793565.pdf

Lessa, C. (2005). O Rio de todos os Brasis: uma reflexão em busca de autoestima. Rio de Janeiro, RJ: Record.

Nava, P. (2001). Chão de Ferro. São Paulo, SP: Ateliê editorial.

Paixão, D. L. D. (2005). A Belle Époque do turismo brasileiro (1930-1945): os hotéis-cassino na era getulista. In: L. G. G. Trigo (Ed.). Análises Regionais e Globais do Turismo Brasileiro. São Paulo, SP: Roca.

Machado, A. (1978). A morte da porta estandarte, Tati a Garota e outras histórias. São Paulo, SP: José Olym-pio.

Machado, M. B. T. (2005). A formação do espaço turístico do Rio de Janeiro. In: R. Bartholo et. al. (Orgs.) Tu-rismo e sustentabilidade no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: Garamond.

Mesquita, P. P. A. (2012). A formação industrial de Petrópolis: trabalho, sociedade e cultura operária (1870-1937). (Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora). Recuperado de http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFJF_05edc6081ff0b326c812823ed6d4f64f

Molina, F. (2016). A produção da “Paris dos trópicos” e os megaeventos no Rio de Janeiro no início do século XX. Finisterra. 102 (1), 25-45. https://doi.org/10.18055/Finis3816 DOI: https://doi.org/10.18055/Finis3816

Rodrigues, N. (1993). A menina sem estrela: memória. São Paulo, SP: Companhia da Letras.

Santos, R. A. (2006) O Carnaval, a peste e a 'espanhola'. Revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos. 13 (1), 130-158. https://doi.org/10.1590/S0104-59702006000100008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702006000100008

Sevcenko, N. (1992). Orfeu extático na metrópole. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Sobreira, G. (2020, 01 de abril). Recordações da Gripe Espanhola. O Dia. Recuperado de https://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2020/03/5892543-recordacoes-da-gripe-espanhola.html#foto=1

Soheit, R. (1998). A subversão pelo riso: Estudos sobre o carnaval da Belle Époque ao tempo de Vargas. Rio de Janeiro, RJ: Fundação Getúlio Vargas.

Schwarcz, L. M. (1998). As Barbas do Imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo, SP: Com-panhia das Letras.

Publicado
01-09-2020