Decodificando Narrativas de Políticas Públicas de Turismo no Brasil

uma leitura crítica sobre o turismo de base comunitária (TBC)

Autores

  • Marcelo Augusto Gurgel Lima Universidade Estadual de Goiás (UEG), Anápolis, GO, Brasil https://orcid.org/0000-0002-8935-2162
  • Marta de Azevedo Irving Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Elizabeth Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0895-3108

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2094

Palavras-chave:

Turismo, Turismo de Base Comunitária, Política pública, Desenvolvimento local

Resumo

Nos últimos anos, o turismo vem sendo interpretado, pelas narrativas oficiais da gestão pública brasileira, como uma via possível para o desenvolvimento socioeconômico e para a inclusão social. Desta forma, muitas experiências vem ocorrendo no mundo com este objetivo, dentre as quais, aquelas relacionadas ao denominado turismo de base comunitária ou TBC, que, em tese, busca o desenvolvimento das localidades turísticas, a partir de premissas centrais de conservação dos recursos naturais, valorização da cultura e protagonismo local. Sob essa inspiração, este artigo tem por objetivo analisar a maneira pela qual as premissas conceituais relativas ao TBC vêm sendo expressas nas narrativas de políticas públicas de turismo, no caso brasileiro, buscando contribuir para a construção de uma linha de base para orientar um debate qualificado sobre o tema, em um cenário pós-pandemia da Covid-19. Para tal, a metodologia adotada partiu de pesquisa bibliográfica e documental, considerando, como universo de análise, as políticas públicas de turismo, no período entre 2003 e 2018. A análise realizada sugere que, apesar de algumas das premissas teóricas que orientam o TBC estarem expressas nos documentos mais recentes, de maneira geral interpretado, predominantemente, pela lógica do mercado nas narrativas de políticas públicas, em contradição com a base teórica, que tem orientado o debate sobre o tema. Assim, considerando essa tendência e, em um cenário de incertezas pós-pandemia da Covid-19, parece evidente o risco de instrumentalização dessa prática nas narrativas oficiais, para atender aos interesses do mercado, por meio do falso discurso de combate às desigualdades sociais.

Biografia do Autor

Marcelo Augusto Gurgel Lima, Universidade Estadual de Goiás (UEG), Anápolis, GO, Brasil

Professor substituto do curso de Turismo e Patrimônio da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Doutor em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social (Programa Eicos/IP/UFRJ). Pesquisador do INCT-PPED-CNPq, vinculado à linha de pesquisa 3: Governança de Bens Comuns e Serviços Ecossistêmicos na Economia Sustentável.

Marta de Azevedo Irving, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Professora Titular do Programa EICOS/IP/UFRJ e PPED/IE/UFRJ; Pesquisadora Sênior do INCT – PEED/CNPq, Coordenadora da Cátedra de Meio Ambiente do CBAE/FCC/UFRJ e Bolsista de Produtividade do CNPq.

Elizabeth Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Pós-doutoranda pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento – INCT/PPED/CNPq.  (Bolsista FAPERJ). Pesquisadora da Cátedra de Meio Ambiente Bertha Becker, vinculada ao CBAE/FCC/UFRJ.

Referências

Baptista, L., & Moreira, J. C. (2017). Ecoturismo de base comunitária no Parque Nacional dos Campos Gerais – PR: A ótica das comunidades de entorno. PASOS Revista de Turismo Y Patrimonio Cultural, 15(1), 195-210. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2017.15.010

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. 1. ed., São Paulo: Edições70.

Bartholo, R. (2009). Sobre o sentido da proximidade implicações para um turismo situado de base comunitária. In: Bartholo, R.; Bursztyn, I; Sansolo, D. G. (Orgs.). Turismo de base comunitária: Diversidade de olhares e expe-riências brasileiras. (pp. 45-54). Rio de Janeiro: Letra e Imagem.

Burgos, A., & Mertens, F. (2015). Os desafios do turismo no contexto da sustentabilidade: as contribuições do turis-mo de base comunitária. PASOS Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 13(1), 57-71. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2015.13.004

Bursztyn, I., Bartholo, R. & Delamaro, M. (2009). Turismo para quem? sobre caminhos de desenvolvimento e alterna-tivas para o turismo no Brasil. In: ursztyn, I., Bartholo, R. & Sansolo, D. G. (Orgs.). Turismo de base comunitá-ria: diversidade de olhares e experiências brasileiras. (pp. 76-91). Rio de Janeiro: Letra e Imagem.

Coriolano, L. N. M. T. (2009). O turismo comunitário no nordeste brasileiro. In: Bartholo, R., Bursztyn, I., & Sansolo, D. G. (Orgs.). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. (pp. 277-288). Rio de Janeiro: Letra e Imagem.

Ferreira, H. C. H. (2014). Turismo Comunitário, Tradicionalidade e Reserva de Desenvolvimento Sustentável na Defe-sa do Território Nativo: Aventureiro-Ilha Grande/RJ. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(2), 361-379. https://doi.org/10.7784/rbtur.v8i2.689

Gómez, C. R. P., Falcão, M. C., Castillo, L. A. G., Correia, S. N., & Oliveira, V. M. (2015). Turismo de Base Comunitária como Inovação Social: congruência entre os constructos. PASOS, Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 13(5), 1213-1227. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2015.13.082

Grimm, I. J., Sampaio, C. A. C., & Betti, P. (2017). Incubação de empreendimentos turísticos solidários para o desen-volvimento nas comunidades tradicionais em Guaraqueçaba (PR). Revista Política e Planejamento Regional, Rio de Janeiro, 4(1), 149- 167. Recuperado de: http://www.revistappr.com.br/artigos/publicados/Incubacao-de-empreendimentos-turisticos-solidarios-para-o-desenvolvimento-nas-comunidades-tradicionais-em-Guaraquecaba-(PR).pdf

Irving, M. A. (2009). Reinventando a reflexão sobre turismo de base comunitária: inovar é possível? In: Bartholo R., Sansolo D. G., & Bursztyn, I. (Orgs.). Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. (pp. 108-121). Rio de Janeiro: Letra e Imagem.

Joaquim, G. (1997). Da Identidade à sustentabilidade ou a emergência do turismo

Responsável. Sociologia Problemas e Práticas, (23), 71-100. Recuperado de: https://repositorio.iscteiul.pt/bitstream/10071/857/1/7.pdf

Krippendorf, J. (1987). The Holiday Makers. Understanding the Impact of Leisure and Travel. Oxford: Butterworth Heinemann.

Lemos, C. C. (2013). Planejamento do turismo em âmbito federal: uma análise dos

instrumentos utilizados e dos investimentos no setor. Rev. Adm. Pública, 47(6), 1401-427. https://doi.org/10.1590/S0034-76122013000600004

Lima, M. A. G.; Irving, M. A. (2018) Políticas públicas de turismo no Brasil: o “estado da arte” para se pensar susten-tabilidade. In: Irving, M. A.; Azevedo, J.; Lima, M. A. G. (Orgs.). Turismo: Ressignificando sustentabilidade. (pp. 181-214). Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem.

Lima, M. A. G. (2014). Projetos de turismo de base comunitária no Estado do Rio de Janeiro: Tecendo teias de signi-ficados em busca da dimensão cultural. 300p. Dissertação (Mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social) – Programa de Pós-Graduação EICOS/IP da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Loureiro, C., & Gorayeb, A. (2013). O Turismo comunitário como alternativa para a preservação dos ecossistemas litorâneos: o caso da Comunidade de Curral Velho, Acaraú-CE-Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo - RTC, 1(1), 1-17. Recuperado de: https://periodicos.ufrn.br/turismocontemporaneo/article/view/5038/4048

Macedo, R. F., Medeiros, V. C. F. de A., Azevedo, F. F., & Alves, M. L. B. (2011). Ecoturismo de base comunitária: uma realidade ou uma utopia. PASOS Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 9(2), 437-448. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2011.09.037

Mano, A. D., Mayer, V. F., & Fratucci, A. C. (2017). Turismo de base comunitária na favela Santa Marta (RJ): oportuni-dades sociais, econômicas e culturais. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. 11(3), 413-435. https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i3.1314

Maldonado, C. A. (2009). O turismo rural comunitário na América Latina: Gênesis, características e políticas. In: Bar-tholo, R., Bursztyn, I., & Sansolo, D. G. (Orgs.). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experi-ências brasileiras. (pp. 25-44). Rio de Janeiro: Letra e Imagem.

Meguis, T., Farias, K., Viana, P., & Hamoy, J. (2015). Do desenvolvimento global ao desenvolvimento local: novas perspectivas do desenvolvimento do turismo. Revista de Turismo Contemporâneo – RTC, 3(1), 98-120. Re-cuperado de: https://periodicos.ufrn.br/turismocontemporaneo/article/view/5656

Ministério do Turismo. MTur. (2020). Anuário Estatístico de Turismo - 2020. Volume 47. Ano Base 2019. Brasília, DF. Recuperado de: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-53-05/item/395-anuario-estatistico-de-turismo-2020-ano-base-2019/395-anuario-estatistico-de-turismo-2020-ano-base-2019.html

Ministério do Turismo. MTur. (2018). Plano Nacional de Turismo 2018-2022: Mais emprego e renda para o Brasil. Brasília, DF. Recuperado de: http://www.turismo.gov.br/images/pdf/PNT_2018-2022.pdf

Ministério do Turismo.MTur. (2013). Plano Nacional de Turismo 2013-2016: O turismo fazendo muito mais pelo Brasil. Brasília, DF. Recuperado de: http://www.turismo.gov.br/images/pdf/plano_nacional_2013.pdf

Ministério do Turismo. MTur. (2010). Dinâmica e Diversidade do Turismo de Base Comunitária: desafio para a formu-lação de política pública. Brasília, DF. Recuperado de: http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/dowloads_publicacoes/Caderno_MTur_alta_res.pdf

Ministério do Turismo.MTur. (2007). Plano Nacional de Turismo 2007-2010: Uma Viagem de Inclusão. Brasília, DF. Recuperado de: http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/plano_nacional_turismo_2007_2010.pdf

Ministério do Turismo. MTur. (2003). Plano Nacional do Turismo: diretrizes, metas e programas (2003-2007). Brasí-lia, DF. Recuperado de: http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/plano_nacional_turismo_2003_2007.pdf

Murphy, P. E. (1985). Tourism: a community approach. New York: Methuen.

Organização Mundial do Turismo. OMT. (2003). Guia de desenvolvimento do

turismo sustentável. Porto Alegre: Bookman. Recuperado de: http://www.turismo.gov.br/images/pdf/06_06_2016_mtur_guia_turismo_sustentabilidade.pdf

Ruschmann, D. (2010). Turismo e Planejamento Sustentável: a proteção do meio ambiente. 9a Ed., São Paulo: Papi-rus.

Sansolo, D. G., & Bursztyn, I. (2009). Turismo de base comunitária: potencialidade no espaço rural brasileiro. In: Bar-tholo, R., Bursztyn, I., & Bursztyn, I. (Orgs.). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiên-cias brasileiras. (pp. 142-161). Rio de Janeiro: Letra e Imagem.

Silva, R. F. de C. (2012). Turismo, desenvolvimento sustentável e direitos humanos: O programa “Viaja Mais, Melhor Idade”. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 6(3), 290-304. https://doi.org/10.7784/rbtur.v6i3.500

Silva, K. T. P., Ramiro, R. C. & Teixeira, B. S. (2009). Fomento ao turismo de base comunitária: a experiência do Mi-nistério do Turismo. In: Bartholo, R., Bursztyn, I. & Sansolo, D. G. (Orgs.). Turismo de base comunitária: diver-sidade de olhares e experiências brasileiras. (pp. 359-373). Rio de Janeiro: Letra e Imagem.

UNWTO. World Tourism Organization. UNWTO. (2019). International Tourism Highlights - 2019 Edition. Madrid. Recu-perado de: https://doi.org/10.18111/9789284421152

Vilani, R. M. (2012). Interpretação da Política Nacional de Turismo à luz do princípio Constitucional de desenvolvi-mento sustentável. CULTUR Revista de Cultura e Turismo, 2(6), 60-72. Recuperado de https://periodicos.uesc.br/index.php/cultur/article/view/284

WTO. World Tourism Organization. (1993). Sustainable tourism development: guide for local planners. A Tourism and the Environment Publication.

Downloads

Publicado

2021-09-15

Edição

Seção

Artigos - Gestão do Turismo