Influência do Trabalho Institucional sobre Instituições em um Cluster de Turismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2099

Palavras-chave:

Trabalho institucional, Cluster de Turismo, Instituições em vigor, Campo Organizacional.

Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender como o trabalho institucional influenciou a implementação do Roteiro Turístico Sentidos do Campo (RTSC), localizado em duas cidades do Paraná, entre 2009 e 2018. Trata-se de um estudo de caso qualitativo descritivo, cujos dados foram coletados por meio de entrevistas estruturadas, observação não participante e documentos, analisados por meio da análise de conteúdo temática. Os resultados mostraram que a implementação do percurso se baseou na criação, manutenção e interrupção do trabalho institucional e na alteração dos pilares regulatórios, normativos e cognitivos do campo organizacional, envolvendo diferentes atores (públicos e privados). A principal contribuição teórica da pesquisa foi identificar os tipos de trabalho institucional e conciliá-los com tipologias de pilares institucionais. Além disso, tem implicações práticas para formuladores de políticas públicas e atores organizacionais, com o objetivo de estabelecer e institucionalizar um cluster de turismo nas áreas rurais, considerado uma fonte de desenvolvimento econômico regional.

Biografia do Autor

Márcio Jacometti, Federal Technological University of Paraná (UTFPR), Curitiba, PR, Brazil

Graduado em Licenciatura em Ciências (1992) com Habilitação em Física (1994) e Matemática (1995) pela Universidade Estadual do Norte do Paraná/Câmpus Cornélio Procópio, Mestre (2002) e Doutor (2013) em Administração pela Universidade Federal do Paraná. Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico da UTFPR/Campus Cornélio Procópio, desde 1996. Implementou e coordenou o Programa de Empreendedorismo e Inovação, de 2002 a 2010 e presidiu a Rede Paranaense de Incubadoras e Parques Tecnológicos de 2008 a 2009. Em março de 2015, passou a compor o quadro efetivo de docentes do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) da UTFPR/Campus Curitiba, nível de Mestrado, na linha de pesquisa de Tecnologia e Desenvolvimento Organizacional. Foi Diretor de Graduação e Educação Profissional da UTFPR/Campus Cornélio Procópio, de 2016 a maio de 2017 e a partir de junho de 2017 foi eleito Diretor-Geral. Como experiência anterior, foi funcionário do Banco do Brasil, de 1988 a 1997, tendo atuado com formação de recursos humanos na área de qualidade, atendimento ao público e gerência de equipe. Desenvolve trabalhos na área de Administração, atuando no ensino, na pesquisa e na extensão nos seguintes temas: teoria institucional, empreendedorismo, arranjos produtivos locais, difusão de conhecimento em redes interorganizacionais, incubadoras de empresas, estudos organizacionais e gestão educacional.

Ellen Correa Wandembruck Lago, Federal Technological University of Paraná (UTFPR), Curitiba, PR, Brazil

PhD student in Planning and Public Governance at the Federal Technological University of Paraná (UTFPR).

Leandro Rodrigo Canto Bonfim, State University of Paraná (UNESPAR) Paranaguá, PR, Brazil

PhD in Management (Innovation and Technology) from the Federal University of Paraná (UFPR). He is currently and Assistant Collaborating Professor at the State University of Paraná (Unespar), Campus Paranaguá, PR, Brazil.

Referências

Ayhan, C. K., Taşlı, T. C., Özkök, F., & Tatlı, H. (2020). Land-use suitability analysis of rural tourism activities: Yenice, Turkey. Tourism Management, 76, 1-11. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2019.07.003

Aragão, I. R., & Santos, G. N. (2017). Fazendas, agricultura familiar e antigos engenhos de açúcar para viabilidade do turismo rural no litoral sul de Sergipe/Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo, 5(2), 260-277.

Baratter, M. A., Ferreira, J. M., & Costa, M. C. (2010). Empreendedorismo institucional: Características da ação inten-cional. Perspectivas Contemporâneas, 5(ed. spe.), 237-266.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bem Paraná. (2008). Caminho da serra resgata estradas históricas que ligam litoral ao planalto. Retrieved May 19, 2018. Available from: https://www.bemparana.com.br/noticia/60963/

Beni, M. C. (1999). Política e estratégia do desenvolvimento regional: Planejamento integrado e sustentável do tu-rismo. Revista Turismo em Análise, 10(1), 7-17. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v10i1p7-17

Bryman, A., & Bell, E. (2011). Business research methods. 3rd ed. New York: Oxford University Press.

Canning, M., & O'Dwyer, B. (2016). Institutional work and regulatory change in the accounting profession. Accounting, Organizations and Society, 54, 1-21. https://doi.org/10.1016/j.aos.2016.08.001

Carvalho, F. R. T. (2015). Turismo e patrimônio cultural material. Cultur: Revista de Cultura e Turismo, 9(1), 143-159.

Cintra, R. F., Amâncio-Vieira, S. F., Costa, B. K. (2016). Stakeholder theory and sociological institutionalism: additions to tourism analysis of Londrina-PR. Revista Iberoamericana de Turismo, 6(1), 165-186.

Coraiola, D. M., Jacometti, M., Baratter, M. A., & Gonçalves, S. A. (2015). Conciliando agência e contexto na dinâmica da mudança institucional. Cadernos EBAPE.BR, 13(4), 701-726. https://doi.org/10.1590/1679-39518879

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2006). Introdução: A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In N. K. Denzin, & Y. S. Lincoln, O planejamento da pesquisa qualitativa: Teorias e abordagens. 2nd ed. Porto Alegre, RS, Artmed, 15-41.

DiMaggio, P. J., & Powell, W. W. (1991). Introduction. In W. W. Powell, & P. J. DiMaggio, The new institutionalism in organizational analysis (pp. 1-38). Chicago: Chicago University Press.

DiMaggio, P. J., & Powell, W. W. (2005). A gaiola de ferro revisitada: Isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, 45(2), 74-89.

Eisenhardt, K. M. (1988). Agency and institutional theory explanations: The case of retail sales compensation. Aca-demy of Management Journal, 31(3), 488-511. https://doi.org/10.5465/256457

Endres, A. V., & Pakman, E. T. (2019). Governability of tourist policies: the role of the participation spaces in the pers-pective of the network analysis and the institutional theory. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 13(1), 1-18. https://doi.org/10.7784/rbtur.v13i1.1431

Falaster, C., Zanin, L. M., Guerrazzi, L. A. (2017). Institutional theory in tourism research: new opportunities from an evolving theory. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 11(2), 270-293. https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i2.1310

Freixo, M. (2009). Metodologia científica: Fundamentos, métodos e técnicas. Lisboa: Instituto Piaget.

Fundeanu, D. D. (2015). Innovative regional cluster, model of tourism development. Procedia Economics and Finan-ce, 23, 744-749. https://doi.org/10.1016/S2212-5671(15)00501-8

Guimarães, C. R. F. F., & Morano, C. B. (2020). Revisão sistemática de trabalhos acadêmicos sobre turismo e em-prego no Brasil, entre os anos de 2010-2020. Revista Iberoamericana de Turismo, 10(2), 123-135. https://doi.org/10.2436/20.8070.01.182

Gibbs, G. (2007). The Sage qualitative research kit: Analyzing qualitative data. London: Sage.

Hasselbladh, H., & Kallinikos, J. (2000). The project of rationalization: a critique and reappraisal of neo-institutionalism in organizational studies. Organizational Studies, 21(4), 697-720. https://doi.org/10.1177%2F0170840600214002

Hoffman, A. J. (1999). Institutional evolution and change: Environmentalism and the US chemical industry. Academy of Management Journal, 42(4), 351-371. https://doi.org/10.5465/257008

Jacometti, M. (2013). Institutional work na conformação do conhecimento difundido em redes interorganizacionais: Estudo de APLs no Estado do Paraná. PhD thesis, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. http://hdl.handle.net/1884/34682

Jacometti, M., Gonçalves, S. A., & Castro, M. (2014). Institutional work e conhecimento em redes interorganizacio-nais: Uma proposta para investigar APLs. Revista de Administração Mackenzie, 15(6), 17-47. https://doi.org/10.1590/1678-69712014/administracao.v15n6p17-47

Jacometti, M., Gonçalves, S. A., Minghini, L., Bonfim, L. R. C., Lago, E. C. W. (2017). Institucionalização de arranjo produtivo local: uma proposição metodológica. Perspectivas Contemporâneas, 12(3), 33-52.

Jafari, J. (1987). Tourism models: The sociocultural aspects. Tourism Management, 8(2),151–159. https://doi.org/10.1016/0261-5177(87)90023-9

Lago, E. C. W., Jacometti, M., Cavalcante, T. N., Bonfim, L. R. C., & Oliveira, L. C. (2018). Estratégias de empreendedo-rismo institucional numa rede de empresas de turismo. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 11(3), 136-168.

Lascoumes, P., & Le Galès, P. (2014). Sociología de la acción pública. Ciudad de Mexico: El Colegio de Mexico, CE-DUA.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte, MG: Universidade Federal de Minas Gerais.

Lawrence, T. B., & Suddaby, R. (2006). Institutions and institutional work. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W. R. Nord (Eds.), Handbook of organization studies (2nd ed., pp. 215-254). London: Sage.

Lawrence, T. B., Suddaby, R., & Leca, B. (2009). Institutional work: Actors and agency in institutional studies of organ-izations. Cambridge: Cambridge University Press.

Lima, M. A. G., Irving, M. A., & Abreu, M. M. (2017). Políticas públicas de cultura e turismo: uma relação mal resolvi-da? Cultur: Revista de Cultura e Turismo, 11(1), 174-201.

Machado-da-Silva, C. L., Guarido Filho, E. R., & Rossoni, L. (2006). Campos organizacionais: Seis diferentes leituras e a perspectiva de estruturação. Revista de Administração Contemporânea, 10(spe.), 159-196. https://doi.org/10.1590/S1415-65552006000500009

Malta, G. A. P., Braga, S. S., & Barbosa, M. F. P. (2019). Conceptions of economic development and the understan-ding of the role of tourism in poverty reduction. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 13(2), 16-31. https://doi.org/10.7784/rbtur.v13i2.1513

Marietto, M. L., & Serra, F. A. R. (2019). The role of institutional elements on strategic activities of small business practitioners. International Journal of Entrepreneurship and Small Business, 37(2), 250-270. https://doi.org/10.1504/IJESB.2019.100107

Mazmanian, D. A., & Sabatier, P. A. (1981). Effective policy implementation. Lexington: Lexington Books.

Medeiros, A. K., Alves, M. A., & Farah, M. F. S. (2015). Programa cultura viva e o campo organizacional da cultura: Análise de políticas públicas pela perspectiva institucionalista. Revista de Administração Pública, 49(5), 1215-1235. https://doi.org/10.1590/0034-7612130337

Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: Formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, 83(2), 340-363. https://doi.org/10.1086/226550

Micelotta, E. R., & Washington, M. (2013). Institutions and maintenance: The repair work of Italian professions. Orga-nization Studies, 34(8), 1137-1170. https://doi.org/10.1177/0170840613492075

Minayo, M. C. S. (2008). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. 11st ed. São Paulo: Hucitec.

Ministério do Desenvolvimento Agrário. (2017). Turismo rural: Convite a conhecer a vida do campo. Retrieved Mar. 22, 2018. Available from: http://www.mda.gov.br/sitemda/noticias/turismo-rural-convite-conhecer-vida-do-campo

Ministério do Turismo. (2007). Programa de regionalização do turismo - roteiros do Brasil: módulo operacional rotei-rização turística. Retrieved Apr. 29, 2018. Available from: http://www.regionalizacao.turismo.gov.br/images/roteiros_brasil/roteirizacao_turistica.pdf

Ministério do Turismo. (2015). Programa talentos do Brasil rural. Retrieved Jun. 26, 2017. Available from: http://www.turismo.gov.br/acesso-a-informacao/63-acoes-e-programas/4888-programa-talentos-do-brasil-rural.html

Ministério do Turismo. (2016). Edital: talentos do Brasil rural. Retrieved May 12, 2018. Available from: http://www.turismo.gov.br/assuntos/80-editais/selecoes-e-chamadas-de-projetos/5942-talentos-brasil-rural.html

Moisander, J. K., Hirsto, H., & Fahy, K. M. (2016). Emotions in institutional work: A discursive perspective. Organiza-tion Studies, 37(7), 963-990. https://doi.org/10.1177%2F0170840615613377

Mozzato, A. R., & Grzybovski, D. (2011). Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no cam-po da administração. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 731-747. https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000400010

Novelli, M., Schmitz, B. & Spencer, T. (2006). Networks, clusters and innovation in tourism: A UK experience. Tourism Management, 27(6), 1141-1152. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2005.11.011

Oliver, C. (1992). The antecedents of deinstitutionalization. Organization Studies, 13(4), 563-588. https://doi.org/10.1177/017084069201300403

Padilha, A. C. M., Corte, A. D., & Souza, M. (2019). Diversificação de Sustento Rural a partir da Exploração do Turismo Rural: o caso da Rota das Salamarias, Marau, Rio Grande do Sul. Turismo e Sociedade, 12(2), 84-109. https://doi.org/10.5380/tes.v12i2.68230

Pimentel, T. D., Carvalho, F. C. C., Pimentel, M. P. C. (2019). The Institutionalization Process of the Formal Structures of Tourism Research (FSTR) in Brazil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 13(3), 16-35. https://doi.org/10.7784/rbtur.v13i3.1493

QBCAMP. Associação Industrial e Comercial de Quatro Barras e Campina Grande do Sul. (2018). Apresentação. Re-trieved Jun. 5, 2018. Available from: http://www.qbcamp.com.br

Ribeiro, T. L. S., Kevin, K. S., Costa, B. K., & Urdan, A. T. (2020). Percepções de stakeholders sobre o turismo: um es-tudo no município de São Sebastião, SP. Turismo: Visão e Ação, 22(2), 334-354. https://doi.org/10.14210/rtva.v22n2.p334-354

Ruhanen, L., & Cooper, C. (2004). Applying a knowledge management framework to tourism research. Tourism Rec-reation Research, 29(1), 83-87. https://doi.org/10.1080/02508281.2004.11081434

Sanches, A. C., Sauer, L., Binotto, E., & Espejo, M. M. B. (2018). Análise dos Estudos sobre Indicadores de Sustentabi-lidade no Turismo: uma revisão integrativa. Revista Turismo em Análise, 29(2), 292-311. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v29i2p292-311

Santos, T. S., & Pereira, R. S. (2018). Governance of Tourism in Campo das Vertentes, MG, Brazil: a path to regional development? Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 12(2), 83-111. https://doi.org/10.7784/rbtur.v12i2.1415

Scótolo, D., & Panosso Netto, A. (2015). Contribuições do turismo para o desenvolvimento local. CULTUR: Revista de Cultura e Turismo, 9(1), 36-59.

Scott, W. R. (1994). Institutions and organizations: Toward a theoretical synthesis. In W. R. Scott, & J. W. Meyer (Eds.), Institutional environments and organizations. Thousand Oaks: Sage.

Scott, W. R. (2002). Organizations (5th ed.). Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Scott, W. R. (2004) Institutional theory. In G. Ritzer (Ed.), Encyclopedia of social theory (pp. 408-414). Thousand Oaks, Sage.

Scott, W. R. (2008). Institutions and organizations: Ideas and interests (3rd ed.). Los Angeles: Sage.

Scott, W. R., & Meyer, J. W. (1983). The organization of societal sectors. In J. W. Meyer, & W. R. Scott (Orgs.). Organiza-tional environments. Beverly Hills, Sage.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2014). Talentos do Brasil: Catálogo de produ-tos e serviços. Porto Alegre: SEBRAE.

Shah, S. (2006). Sharing the world: The researcher and the researched. Qualitative Research, 6(2), 207-220. https://doi.org/10.1177/1468794106062710

Sohn, A. P., Silvestrini, C., Fiuza, T. F., & Limberger, P. F. (2017). The elements that characterize the tourism cluster in Balneário Camboriú, SC, Brazil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 11(1), 154-174. http://doi.org/10.7784/rbtur.v11i1.1201

Stacey, M. (1977). Methods of social research. Oxford: Pergamon Press.

Stake, R. E. (2009). A arte da investigação com estudos de caso (2nd ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Tonini, H., & Dolci, T. S. (2020). Turismo Rural e Novos Mercados para Produtos Alimentares Agroecológicos: Estudo de Caso da Rota Via Orgânica. Rosa dos Ventos: Turismo e Hospitalidade, 12(3), 537-554.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: A pesquisa qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas.

Van de Ven, A., & Poole, M. S. (1995). Explaining development and change in organizations. Academy of Manage-ment Review, 20(3), 510-540. https://doi.org/10.5465/amr.1995.9508080329

Vilelas, J. (2009). Investigação: O processo de construção do conhecimento. Lisboa: Edições Sílabo.

Downloads

Publicado

2021-09-15

Edição

Seção

Artigos - Gestão do Turismo