O Futuro do turismo no Brasil a partir da análise crítica do período 2000-2019

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2456

Palavras-chave:

Estudo do Turismo, Cultura Brasileira, Ações de Planejamento, Redes Políticas, Estruturas de Mercado.

Resumo

O presente artigo oferece uma perspectiva sobre o turismo no Brasil, analisando os principais desdobramentos com foco no período de 2000-2019. Trata-se de um artigo de opinião com reflexões de acadêmicos do turismo brasileiro. Os tópicos relacionados ao turismo, cobertos neste artigo, incluem economia, política e planejamento, marketing, transporte, meio ambiente, gastronomia, hospitalidade, lazer, entre outros. Como principal conclusão, considera-se que o Brasil não conseguiu se posicionar como destino de renome internacional, já que desde a década de 1990 os esforços para apoiar o desenvolvimento do turismo regional obtiveram sucesso apenas moderado. As crises econômicas, a instabilidade política, a violência e a corrupção foram entraves que afetaram consideravelmente o setor de turismo. A falta de uma abordagem coordenada entre os vários níveis de governo, a escassez de dados de turismo e uma campanha de marketing supra-governamental de longo prazo, entre outros fatores, fizeram com que o país perdesse várias oportunidades importantes na década de 2010 para se estabelecer como um dos principais destinos turísticos no mercado global.

Biografia do Autor

Gui Lohmann, Griffith University, Austrália / Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Professor Titular da Griffith University, Austrália. Docente e orientador permanente no Programa de Pós-Graduação em Turismo (PPGTUR) da Universidade de São Paulo. Membro da Academia Internacional para o Desenvolvimento da Pesquisa em Turismo no Brasil (ABRATUR).

Heros Augusto Santos Lobo, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, Brasil.

Doutor em Geociências e Meio Ambiente, Mestre em Geografia, Especialista em Gestão e Manejo Ambiental em Sistemas Florestais, Bacharel em Turismo. Professor do DGTH/UFSCar. Líder do Grupo de Pesquisas DEMANDATUR.

Luiz Gonzaga Godoi Trigo, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Professor titular da EACH-USP onde atua na graduação e pós-graduação em turismo (PPGTUR), livre docente em lazer e turismo (ECA-USP), doutor em educação (Unicamp) e graduado em filosofia e turismo (PUC-Campinas). Autor de vários livros e artigos sobre viagens, educação, entretenimento e cultura.

Vander Valduga, Universidade Federal do Paraná (UPFR), Curitiba, PR, Brasil

Professor do Bacharelado e do Mestrado em Turismo na Universidade Federal do Paraná. Coordenador do grupo de Pesquisa do CNPq TerroirTUR. Seus interesses de pesquisa incluem a gastronomia, hospitalidade e turismo, enoturismo, geografia e turismo.

Rafael Castro, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), Campus Petrópolis, RJ

Professor Adjunto do curso de Bacharelado em Turismo do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), Campus Petrópolis, RJ. Bacharel em Turismo (Universidade Positivo) e Doutor em Engenharia de Transportes (UFRJ).

Mariana de Freitas Coelho, Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa, MG, Brasil.

Doutora em Administração na Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do Departamento em Administração e Contabilidade da Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais.

Marina Wöhlke Cyrillo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IRFS), Porto Alegre, RS

Mestre em Turismo e Hotelaria pela UNIVALI. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS. Coordenadora da Incubadora Tecnosocial do Campus Porto Alegre.

Yoná Dalonso, Universidade da Região de Joinville (Univille), Joinville, SC, Brasil.

Graduada em Turismo e Hotelaria (Univali), Mestre em Ciências da Comunicação (USP) e Doutora em Geografia (UMINHO, Portugal). É Professora e Pesquisadora da área do Turismo e líder do Grupo de Pesquisa CNPq Turismo e Território da Universidade da Região de Joinville, Univille. Suas publicações incluem artigos de periódicos acadêmicos, capítulos em livros e produções científicas nos temas turismo, gastronomia, políticas públicas, eventos, planejamento turístico, planejamento regional.

Maria Henriqueta Gimenes-Minasse, Universidade Anhembi Morumbi, Morumbi (UAM), São Paulo, Brasil.

Bacharel em Turismo, Mestre em Sociologia e Doutora em História. É pesquisadora das áreas de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo e professora no Programa de Pós-Graduação em Hospitalidade da Universidade Anhembi Morumbi (UAM).

Marlusa de Sevilha Gosling, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Professora Associada de Marketing da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Administração pela mesma instituição e Pós-Doutora em Gestão do Turismo pela Universidade do Algarve. É editora-chefe da revista Marketing & Tourism Review. É professora visitante na Universidade do Algarve, Portugal. Sua experiência em pesquisa é em turismo, marketing e gestão estratégica.

Ricardo Lanzarini, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Doutor em Ciências Humanas (UFSC), com Pós-doutoramento em Lazer e Turismo (USP). Professor do Departamento de Turismo (DETUR) e do Programa de Pós-Graduação em Turismo (PPGTUR) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Sergio Rodrigues Leal, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil.

Professor Associado do Departamento de Hotelaria e Turismo (DHT) e Docente Permanente e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Hotelaria e Turismo (PPHTur) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Ph.D., Mestre e Bacharel em Turismo com MBA em Marketing de Serviços. Suas pesquisas concentram-se na área de educação em turismo e em temas emergentes na hotelaria e no turismo.

Osiris Marques, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niteroi, RJ, Brasil.

Doutor em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor e pesquisador do Departamento de Turismo da Universidade Federal Fluminense, onde atua no Programa de Pós-Graduação em Turismo. Coordenador e líder do grupo de pesquisa Observatório do Turismo do Rio de Janeiro - UFF.

Verônica Feder Mayer, Universidade Federal Fluminense (UFF) Niteroi, RJ, Brasil.

Doutora pelo Instituto COPPEAD de Administração da UFRJ. É Professora Associada da Faculdade de Turismo e Hotelaria da Universidade Federal Fluminense e integra o corpo docente do PPGTUR-UFF. Suas áreas de pesquisa são: comportamento do consumidor e marketing; economia comportamental; tecnologias no turismo

Jasmine Cardozo Moreira, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil / Universidade de West Virginia (EUA).

Doutor em Geografia (UFPR), mestre em Cultura e Turismo (UESC). Jornalista com experiência em coberturas nacionais e internacionais para emissoras de rádio e TV e para o jornal O Estado de S. Paulo. Atua como pesquisador multidisciplinar e especialista em Comunicação nos setores público e privado.

Lauro Almeida de Moraes, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil.

Doutor em Geografia (UFPR), mestre em Cultura e Turismo (UESC). Jornalista com experiência em coberturas nacionais e internacionais para emissoras de rádio e TV e para o jornal O Estado de S. Paulo. Atua como pesquisador multidisciplinar e especialista em Comunicação nos setores público e privado.

Alexandre Panosso Netto, Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), São Paulo, SP, Brasil.

Professor na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP) onde atua junto ao curso de graduação em Lazer e Turismo e ao Programa de Pós-Graduação em Turismo-PPGTUR. Entre seus temas de interesse estão: educação em turismo, epistemologia do turismo, teorias do turismo e turismo na América Latina.

André Riani Costa Perinotto, Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), Parnaíba, PI, Brasil / Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, CE. Brasil.

Doutor em Ciências da Comunicação (UNISINOS), Professor Associado na Universidade Federal do Delta do Parnaíba e Professor Permanente no Mestrado em Gestão de Negócios Turísticos na UECE, Diretor da Academia Internacional para o Desenvolvimento da Pesquisa em Turismo no Brasil (ABRATUR).

Ambrozio Queiroz Neto, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ), Nova Friburgo-RJ, Brasil.

Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do CEFET-RJ - Uned Nova Friburgo-RJ. Possui Doutorado em Gestão de Turismo (Griffith University, Austrália), Mestrado em Tecnologia (CEFET-RJ) e Graduação em Turismo (UNIPLI).

Sidnei Raimundo, Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo (USP)

Professor Associado da EACH-USP. Geógrafo e mestre (pela USP) e doutor (pela UNICAMP) em Geografia, com pós-doutoramento pela Universitat de Girona, Espanha. É líder do grupo de pesquisa "Dinâmicas Socioambientais e Políticas Territoriais" e Coordenador na EACH-USP da Cátedra-Rede Unitwin da UNESCO sobre "Cultura, Turismo e Desenvolvimento".

Eduardo Sanovicz, Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), São Paulo, SP, Brasil.

Professor Doutor no curso de Lazer e Turismo na EACH/USP e Presidente da ABEAR (Associação Brasileira de Empresas Aéreas). Foi diretor da Reed Alcântara Machado, Presidente da Embratur e vice presidente da ICCA (International Congress & Convention Association).

Fabia Trentin, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niteroi, RJ, Brasil.

Professora Adjunta do Departamento de Turismo e Hotelaria da Universidade Federal Fluminense. Coordenadora do Laboratório de Políticas, Governança e Turismo (LabPGTUR).

Ricardo Ricci Uvinha, Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), São Paulo, SP, Brasil.

Professor Titular da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo (USP). Docente e orientador permanente no Programa de Pós-Graduação em Turismo da USP (PPGTUR). Membro da Academia Internacional para o Desenvolvimento da Pesquisa em Turismo no Brasil (ABRATUR).

Referências

Aall, C., Dodds, R., Sælensminde, I., & Brendehaug, E. (2015). Introducing the concept of environmental policy inte-gration into the discourse on sustainable tourism: a way to improve policy-making and implementation?, Journal of Sustainable Tourism, 23(7), 977-989. https://doi.org/10.1080/09669582.2015.1032300

ABEAR - Associação Brasileira das Empresas Aéreas. (2021). Panorama da Aviação Brasileira – Tarifas. Recuperado em set. 23, 2019, de: http://panorama.abear.com.br/dados-e-estatisticas/tarifas

Adams, S.-A. (2017). Sustainable cruise ship employment for the Caribbean region - a conceptual perspective, Wor-ldwide Hospitality and Tourism Themes, 9(1), 60-69. https://doi.org/10.1108/WHATT-11-2016-0060

Alvares, D. F., Santos, S. R., & Perinotto, A. R. C. (2020). Network of Tourism Observatories toward a Tourism Intelli-gence: The case of Brazil. Enlightening Tourism: Pathmaking Journal, 10(2), 140-178. doi: http://dx.doi.org/10.33776/et.v10i2.4696

Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC. (2019). Dados do Anuário do Transporte Aéreo. Recuperado em set. 18, 2019, de: www.anac.gov.br/assuntos/dados-e-estatisticas/mercado-de-transporte-aereo/anuario-do-transporte-aereo/dados-do-anuario-do-transporte-aereo

Araújo, L.M. de., & Dredge, D. (2012). Tourism development, policy and planning in Brazil. In Lohmann, G., & Dredge, D. (Eds.), Tourism in Brazil: Environment, Management, and Segments (pp.17-29). Routledge: Londres e Nova Iorque.

Balassiano, M., & Considera, C. (2020) Posição relativa do PIB per capita do Brasil entre as maiores economias do mundo. Recuperado em dez. 16, 2020 de: https://blogdoibre.fgv.br/posts/posicao-relativa-do-pib-capita-do-brasil-entre-maiores-economias-do-mundo.

Banco Central do Brasil. (s.d.). Plano Real. Recuperado de: www.bcb.gov.br/controleinflacao/planoreal

Bandyopadhyay, R., & Nascimento, K. (2010). Where fantasy becomes reality: how tourism forces made Brazil a sexual playground. Journal of Sustainable Tourism, 18(8), 933-949. https://doi.org/10.1080/09669582.2010.497220

Barreto, D., & Jensen, L. J. (2020). Using cultural representations in video games to confront stereotypes and miscon-ceptions about Brazil: Favelas, Futebol, and Brasilidade. In Papa, R. (Ed.), Handbook on Promoting Social Justice in Education (pp.1663–1684). Springer. https://doi.org/10.1007/978-3-030-14625-2_138

Bloom, L. B. (2019, 31 de julho). Estudo traz Brasil como o segundo país mais perigoso para turistas mulheres. For-bes. Recuperado de: https://forbes.com.br/forbeslife/2019/07/20-lugares-mais-perigosos-para-turistas-mulheres

Bondarik, R., Pilatti, L. A., & Horst, D. J. (2020). Sports mega-events and overestimated promises: the case of the 2014 FIFA World Cup in Brazil. Journal of Tourism and Cultural Change, 18(3), 351-367. https://doi.org/10.1080/14766825.2020.1727488

Borrini-Feyerabend, G., Dudley, N., Jaeger, T., Lassen, B., Pathak Broome, N., Phillips, A., & Sandwith, T. (2013). Go-vernance of Protected Areas: From understanding to action. Best Practice Protected Area Guidelines. IUCN. Recupe-rado de: www.iucn.org/content/governance-protected-areas-understanding-action-0

Brasil. (2010). Decreto no 7.168, de 5 de maio de 2010. Presidência da República.

Brasil. (2016). Referencial de Combate à Fraude e à Corrupção: aplicável a órgãos e entidades da administração pública. Tribunal de Contas da União.

Cai, L., Jafari, J., Scott, N., Niekerk, M., & Martino, M. de. (Eds.). (2017). Knowledge Transfer to and within Tourism: Academic, Industry and Government Bridges. Emerald Publishing.

Carnicelli-Filho, S., & Lohmann, G. (2012). Tourism Development and Distribution Channels in Brotas: Brazilian Ad-venture Capital. In Lohmann, G., & Dredge, D. (Eds.), Tourism in Brazil: Environment, Management and Segments (pp.91-107). Routledge: Londres e Nova Iorque.

Cerqueira, D., Bueno, S., Lima, R.S., Neme, C., Ferreira, H., Alves, P.P., Marques, D., Reis, M., Cypriano, O., Sobral, I., Pacheco, D., Lins, G., & Armstrong, K. (2019). Atlas da Violência 2019. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Christino, J. M. M., Silva, T. S., Cardozo, É. A. A., & Lopes, A.G.R. (2019). Adoção de plataformas on-line de hospeda-gem compartilhada: um estudo do comportamento de uso do Airbnb. Turismo-Visão e Ação, 21(1), 165-185.

CLIA Brasil/FGV (2018). Cruzeiros Marítimos Temporada 2017-2018. Recuperado de: https://abremar.com.br/wp-content/uploads/2018/10/CLIA_v11.pdf

CLIA Brasil (2019). Temporada 2019/2020 de Cruzeiros terá mais de 530 mil leitos ofertados. Recuperado de: https://abremar.com.br/temporada-20192020-de-cruzeiros-tera-mais-de-530-mil-leitos-ofertados

CLIA Brasil (2021), Dados do Setor. Recuperado de: https://abremar.com.br/dados-do-setor

Darolt, M.R., Lamine, C., Brandenburg, A., Alencar, M. de C.F., & Abreu, L.S. (2016). Alternative foods network and new production-consumption relations in France and Brazil. Environment & Society, 19(2), 1-22. https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOC121132V1922016

Data Sebrae (s.d.) PIB. Recuperado em jun. 05, 2021 de: https://datasebrae.com.br/pib/#crescendo

de Miranda Mota, C.M., & de Figueiredo, C.J.J. (2021). Identifying areas vulnerable to homicide using multiple crite-ria analysis and spatial analysis. Omega, 100. https://doi.org/10.1016/j.omega.2020.102211

Duc Pham, T., Dwyer, L., & Spurr, R. (2009). Constructing a Regional TSA: The Case of Queensland. Tourism Analysis, 13(5/6), 445-460.

Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil - FOHB. (2018). Perspectivas de Desempenho da Hotelaria. 6 ed. FOHB: [s.l]. Recuperado em dez. 4, 2019, de: http://fohb.com.br/wp-content/uploads/2018/12/Ed.-6-Perspectivas-de-Desempenho-da-Hotelaria.pdf

Femenia-Serra, F., Neuhofer, B., & Ivars-Baidal, J.A. (2019). Towards a conceptualisation of smart tourists and their role within the smart destination scenario. The Service Industries Journal, 39(2), 109-133. https://doi.org/10.1080/02642069.2018.1508458

International Congress and Convention Association - ICCA. (2019, 13 de maio). ICCA releases largest ever statistics report for 2018. Recuperado de: www.iccaworld.org/newsarchives/archivedetails.cfm?id=935584

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2020, 12 de novembro). Síntese de Indicadores Sociais: em 2019, proporção de pobres cai para 24,7% e extrema pobreza se mantém em 6,5% da população. Recuperado de: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/29431-sintese-de-indicadores-sociais-em-2019-proporcao-de-pobres-cai-para-24-7-e-extrema-pobreza-se-mantem-em-6-5-da-populacao

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio. (2020), Monitoramento da visitação em Unida-des de Conservação Federais: Resultados de 2019 e breve panorama histórico. Recuperado de: www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/publicacoes/monitoramento_visitacao_em_ucs_federais_resultados_2019_breve_panorama_historico.pdf

International Union for Conservation of Nature - IUCN. (2020). Guidance for using the IUCN Global Standard for Natu-re-based Solutions. A user-friendly framework for the verification, design and scaling up of Nature-based Solutions. IUCN.

JLL's Hotels & Hospitality Group (2019). Hotel Investment Outlook 2019. JLL's Hotels & Hospitality Group.

Jones, T., Wood, D., Hughes, M., Duc Pham, T., Pambudi, D., Spurr, R., Dwyer, L. Deery, M., & Fredline, L. (2010). Tou-rism Destination Modelling: Building a sustainable planning tool for Australian tourism destinations. Sustainable Tourism Cooperative Research Centre.

Leung, Y.-F., Spenceley, A., Hvenegaard, G., & Buckley, R. (Eds.). (2018). Tourism and Visitor Management in Protec-ted Areas: Guidelines for Sustainability. Best Practice Protected Area Guidelines, IUCN.

Lima, E., Maia, T.S.T., Lobosco, A., & Moraes, M.B. (2016). Megaeventos esportivos frente a pequenos eventos: refle-xões considerando-se a realidade brasileira recente. Leisure and Tourism Review, 5(3), 89-110. Recuperado de: www.spell.org.br/documentos/ver/44588/sports-mega-events-compared-to-small-events--reflections-considering-the-brazilian-recent-reality/i/en

Lohmann, G., & Dredge, D. (2012). Introduction., In Lohmann, G.; & Dredge, D. (Eds), Tourism in Brazil: Environment, Management and Segments (pp.1-16). Routledge: Londres e Nova Iorque.

Lohmann, G., Fraga, C., & Castro, R. (2013). Transportes e Destinos Turísticos: Planejamento e Gestão. Elsevier.

MacKendrick, N. (2014). Foodscape. Contexts, 13(3), 16-18.

Marques, R.B., Alves, C.A., & Wada, E.K. (2020). Turismo e corrupção no Brasil: uma perspectiva política e econômi-ca. Turismo em Análise, 31(1), 1-18.

Ministério do Meio Ambiente. (2019). Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. Recuperado de: www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs

Ministério do Turismo (2003). Plano Nacional do Turismo 2003 – 2007: Diretrizes, Metas e Programas. Ministério do Turismo.

Ministério do Turismo (2016). Anuário Estatístico do Turismo 2016 - Volume 43 - ano base 2015. Recuperado de: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-53-05.html

Ministério do Turismo (2018). Estudo da Demanda Turística Internacional. Recuperado de: www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-54-03/demanda-tur%C3%ADstica-internacional.html

Ministério do Turismo (2019a). Estudo de Demanda Turística Nacional 2012 e Anuário Estatístico 2019. Recupera-do de: www.dadosefatos.turismo.gov.br/dadosefatos/home.html

Ministério do Turismo (2019b). Boletim de Estatísticas Turísticas – 2019. Recuperado de: www.dadosefatos.turismo.gov.br/boletins.html

Ministério do Turismo (2021). Anuário Estatístico do Turismo 2020 - Volume 47 - ano base 2019. Recuperado de: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-53-05.html

Neufeld, D. (2020, 22 de maio). Visualizing the Countries Most Reliant on Tourism. Visual Capitalist. Recuperado de: www.visualcapitalist.com/countries-reliant-tourism

Ngo, T., Lohmann, G., & Hales, R. (2018), Collaborative marketing for the sustainable development of community-based tourism enterprises: voices from the field, Journal of Sustainable Tourism, 26(8), 1325-1343. https://doi.org/10.1080/09669582.2018.1443114

Ngo, T., Hales, R., & Lohmann, G. (2019), Collaborative marketing for the sustainable development of community-based tourism enterprises: a reconciliation of diverse perspectives, Current Issues in Tourism, 22(18), 2266-2283. https://doi.org/10.1080/13683500.2018.1446919

Oliveira, R.P., Oliveira, A.V., Lohmann, G., & Bettini, H.F. (2020). The geographic concentrations of air traffic and eco-nomic development: A spatiotemporal analysis of their association and decoupling in Brazil. Journal of Transport Geography, 87. https://doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2020.102792

Pan, B., & Yang, Y. (2017). Monitoring and forecasting tourist activities with big data. In Uysal, M., Schwartz, Z., & Sirakaya-Turk, E. (Eds.). Management Science in Hospitality and Tourism: Theory, practice, and applications (pp.43-62). Apple Academic Press.

Pan, S.L., & Zhang, S. (2020). From fighting COVID-19 pandemic to tackling sustainable development goals: An oppor-tunity for responsible information systems research. International Journal of Information Management, 55, 1-6.

Perinotto, A.R.C., Camarço, J.C.F., de Souza Braga, S., & Malta, G.A.P. (2019). Histórico e análise da hotelaria de luxo no Brasil. RITUR-Revista Iberoamericana de Turismo, 9(1), 219-247.

Queiroz Neto, A., Lohmann, G., Scott, N., & Dimmock, K. (2017). Rethinking competitiveness: important attributes for a successful scuba diving destination. Tourism Recreation Research, 42(3), 356-366. https://doi.org/10.1080/02508281.2017.1308086

Romano, F.S., Tomazzoni, E.L., & Uvinha, R.R. (2019). Megaeventos Esportivos no Brasil e o Plano Nacional de Tu-rismo 2013-2016: análise quanto às metas de expansão turística. Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, 11(2), 454-475.

Ruiz-Real, J.L., Uribe-Toril, J., & Gázquez-Abad, J.C. (2020). Destination branding: Opportunities and new challenges. Journal of Destination Marketing & Management, 17, 1-13. https://doi.org/10.1016/j.jdmm.2020.100453

Santos, G.E. de O. (2017). Conta Satélite do Turismo do Brasil: Novas estimativas. Anais do Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, 14. ANPTUR.

Santos, G.E. de O., Gursoy, D., Ribeiro, M.A., & Netto, A.P. (2019). Impact of transparency and corruption on mega-event support. Event Management, 23, 27-40.

Schiefelbusch, M., Jain, A., Schäfer, T., & Müller, D. (2007). Transport and tourism: roadmap to integrated planning developing and accessing integrated travel chains. Journal of Transport Geography, 15 (2), 94-103. https://doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2006.12.009

Souza, T. do V.S.N., Thapa, B., Rodrigues, C.G. de O., & Imori, D. (2019). Economic impacts of tourism in protected areas of Brazil. Journal of Sustainable Tourism, 27 (6), 735-749. https://doi.org/10.1080/09669582.2017.1408633

Transparência Internacional. (2019). Índice de Percepção da Corrupção 2018. Recuperado de: https://ipc2018.transparenciainternacional.org.br

Trentin, F. (2016). Governança turística em destinos brasileiros: comparação entre Armação dos Búzios/RJ, Pa-raty/RJ e Bonito/MS. Pasos – Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 14 (3), 645-658.

Trigo, L.G.G. (2020). Viagens e turismo: dos cenários imaginados às realidades disruptivas. Revista Brasileira de Pes-quisa em Turismo, 14 (3), 1-13.

Valente, F., Dredge, D., & Lohmann, G. (2015). Leadership and governance in regional tourism. Journal of Destination Marketing & Management, 4 (2), 127-136. https://doi.org/10.1016/j.jdmm.2015.03.005

Vernon, J., Essex, S., Pinder, D., & Curry, K. (2005). Collaborative policymaking: local Sustainable Projects. Annals of Tourism Research, 32 (2), 325-345. https://doi.org/10.1016/j.annals.2004.06.005

World Bank. (2015). World Development Indicators 2015. The World Bank.

WTO - World Tourism Organization. (2012). Global Report on Food Tourism. World Tourism Organization.

WTO - World Tourism Organization. (2020) International Tourism Highlights. Recuperado de: https://www.e-unwto.org/doi/pdf/10.18111/9789284421152

Downloads

Publicado

2021-09-15

Edição

Seção

Perspectivas