Trajetórias de mulheres na docência e na pesquisa em Turismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2468

Palavras-chave:

Gênero, Trabalho, Pós-graduação em turismo, Trajetória feminina, Pesquisadora

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir as questões de gênero na academia ao descrever a trajetória de mulheres que atuam nos Programas de Pós-graduação em Turismo, Hotelaria ou Hospitalidade no Brasil. Foram contatadas todas as 71 mulheres, dos 11 Programas de Pós-Graduação, contando com a participação de 31 docentes vinculadas a 10 PPGs, ou 43% do total. Com abordagem qualitativa, adotou-se entrevistas como método de coleta de dados. A partir das transcrições em totalidade e da leitura do corpus textual, foram organizados temas que tratavam da formação, da carreira no ensino superior, e do entrelaçamento entre a vida profissional e a vida pessoal. Com a análise pudemos identificar uma versão de trajetória de mulheres na pesquisa e na docência em turismo que não se caracterizava como representativa nem ilustrativa de uma única mulher, mas sim como uma versão compartilhada da trajetória dessas mulheres. Concluímos que as formas como essas mulheres lidam com a docência e a pesquisa influenciaram e influenciam diretamente na pesquisa em turismo no Brasil. Além disso, observamos que as mulheres da docência e da pesquisa do turismo brasileiro enfrentam e vivenciam desafios atrelados ao gênero, tais como as mulheres no mercado de trabalho como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dianine Censon, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil / Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), Irati, PR, Brasil

Graduada em Turismo, especialista em Gestão Pública e Desenvolvimento Regional e mestra em Sociologia. Doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora temporária do curso de Graduação em Turismo da Uni-versidade Estadual do Centro-Oeste. Desenvolve pesquisas com enfoque em sociologia política, Estado e políticas públicas, além da intersecção dessas temáticas com o campo midiático e os estudos de gênero. Vinculada ao Grupo de Pesquisa Socie-dade e Políticas Públicas.Contribuições neste artigo: Concepção da pesquisa, Revisão da literatura, Coleta de dados, Análise de dados, Discussão

Cecília Ulisses Frade dos Reis, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil

Mestra em Turismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisa Labor Movens -Condições de Trabalho no Turismo, vinculado à Universidade Federal do Tocantins (UFT). Graduada em Turismo pela Universi-dade Federal de Ouro Preto (UFOP). Tem experiência profissional nas áreas de hotelaria e A&B (Alimentos e Bebidas). Estuda e pesquisa condições de trabalho no turismo, gênero e feminismo.Contribuições neste artigo: Concepção da pesquisa, Revisão da literatura, Coleta de dados, Análise de dados, Discussão

Juliana Medaglia, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil

Graduada em Turismo, com especializações em Marketing Empresarial e Gestão Social, mestre em Comunicação e Turismo e doutora em Ciência da Informação. Professora da UFPR, no Curso de Graduação em Turismo no Programa de Pós-graduação em Turismo. Pesquisa e atua nas áreas Turismo, com ênfase em Planejamento Estratégico de Marketing, Demanda Turística, Organização da Informação e Formação e Educação Superior em Turismo. Vinculada aos Grupos de Pesquisa TEEM -Turismo, Educação, Emprego e Mercado e DemandaTur -Fatores Determinantes e Condicionantes da Demanda Turística. Contribuições neste artigo: Concepção da pesquisa, Coleta de dados, Análise de dados, Discussão.

Marcia Shizue Massukado Nakatani, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil

Graduada em Turismo, mestre e doutora em Administração. Professora da UFPR, no Curso de Graduação em Turismo no Pro-grama de Pós-graduação em Turismo. Desenvolve estudos relacionados às metodologias de investigação e construção do co-nhecimento em turismo, à comunicação e informação turística, à promoção e comercialização de destinos e produtos turísticos e, à formação superior em turismo. Atua como revisora ad hoc de periódicos da área de Turismo, de eventos em Turismo e em Administração e de agências de fomento. Vinculada aos Grupos de Pesquisa TURITEC -Turismo, Tecnologia, Informação, Comu-nicação e Conhecimento e TEEM -Turismo, Educação, Emprego e Mercado. Contribuições neste artigo: Concepção da pesquisa, Coleta de dados, Análise de dados, Discussão.

Referências

Aksatan, M., Gunlu, E., Kozak, M. (2020). Women academics in tourism: A cross-gender study in Turkey. International Journal of Tourism Research, 22(6), 711-725. https://doi.org/10.1002/jtr.2367

Almeida Filho, N. (2007). Universidade Nova: textos críticos e esperançosos. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília; Salvador, BA: EDUFBA.

Alon, S., & DiPrete, T. A. (2017). Gender differences in the formation of a field of study choice set. Sociological Science, 2, 50–81. http://dx.doi.org/10.15195/v2.a5

Araujo, B. F. von B. de, Tureta, C. A., & Araujo, D. A. von B. de. (2015). How do working mothers negotiate the work-home interface? Journal of Managerial Psychology, 30(5), 565–581. https://doi.org/10.1108/jmp-11-2013-0375

Basurto-Barcia, J., & Ricaurte-Quijano, C. (2017). Women in tourism: gender (in)equalities in university teaching and research. Anatolia, 28(4), 567–581. https://doi.org/10.1080/13032917.2017.1370781

Butler, J. (1993). Bodies that matter: On the discursive limits of "sex". New York: Routledge.

Chambers, D., Munar, A. M., Khoo-Lattimore, C., & Biran, A. (2017). Interrogating gender and the tourism academy through epistemological lens. Anatolia, 28(4), 501-513, https://doi.org/10.1080/13032917.2017.1370775

Connell, R., Pearse, R. (2015). Gênero: uma perspectiva global. Tradução da 3a ed. e revisão técnica de Marília Moschkovich. São Paulo: nVersos.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Das, V. (2007). Life and words: Violence and the descent into the ordinary. California: University of California Press.

De Kleijn, M., Jayabalasingham, B., Falk-Krzesinski, H. J., Collins, T., Kuiper-Hoyng, L., Cingolani, I., Zhang, J., Roberge, G., Deakin, G., Goodall, A., Whittington, K. B., Berghmans, S. Huggett, & S. Tobin, S. (2020). The Researcher Journey Through a Gender Lens: An examination of research participation, career progression and perceptions across the globe. Elsevier. Recuperado em 05 de maio de 2021 de www.elsevier.com/gender-report

El-Alayli, A., Hansen-Brown, A. A., & Ceynar, M. (2018). Dancing Backwards in High Heels: Female Professors Experience More Work Demands and Special Favor Requests, Particularly from Academically Entitled Students. Sex Roles, 79, 136–150. https://doi.org/10.1007/s11199-017-0872-6

Foucault, M. (2005). Histoire de la sexualité I: la volonté de savoir. Paris: Gallimard.

Furlin, N. (2014). A categoria de gênero e o seu estatuto na produção do conhecimento: algumas considerações teóricas. Revista Sociais e Humanas, 27(2), 110-127.

Gaskell, G. (2013). Entrevistas individuais e de grupos. In M. W. Bauer, G. Gaskell. (editores). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis, RJ: Vozes (64-89).

Grossi, M. P., & Rea, C. A. (2020). Teoria feminista e produção de conhecimento situado: ciências humanas, biológicas, exatas e engenharias. In M. P. Grossi & C. A. Rea. (Orgs.). 1a ed. – Florianópolis (SC): Tribo da Ilha; Salvador (BA): Devires.

Haraway, D. (1988). Situated knowledges: The science question in feminism and the privilege of partial perspective. Feminist Studies, 14(3), 575-599.

Harding, S. (1986). The science question in feminism. Ithaca: Cornell University Press.

Hirata, H. (2015). Mudanças e permanências nas desigualdades de gênero: divisão sexual do trabalho numa perspectiva comparativa. Friedrich-Ebert-Stiftung, 7, 4-9. Recuperado em 30 de abril de 2021 de http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/12133.pdf

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132). https://doi.org/10.3895/rts.v6n11.2557

Huopalainen, A. S., & Satama, S. T. (2018). Mothers and researchers in the making: Negotiating "new" motherhood within the "new" academia. Human Relations, 72(1), 98-121. https://doi.org/10.1177/0018726718764571

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. (2021). Resumo técnico do Censo da Educação Superior 2019 [recurso eletrônico]. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Recuperado em 05 de maio de 2021 de https://bityli.com/Lj88o

Jesus, C. V. de, Santos, E. A. dos, Voese, S. B., & Musial, N. T. K. (2021). Mudanças relacionadas a gênero na docência em cursos de Ciências Contábeis. Educação, Cultura e Comunicação, 12(23), 313-328.

Keller, E. F. (2006). Qual foi o impacto do feminismo na ciência? Cadernos Pagu, 27, 13-34.

Koseoglu, M. A., King, B., & Rahimi, R. (2020). Gender disparities and positioning in collaborative hospitality and tourism research. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 32(2), 535-559. https://doi.org/10.1108/IJCHM-09-2018-0747

Le Feuvre, N. (2019). Conclusão. Reconfigurações das questões da igualdade nas sociedades contemporâneas. In M. Maruani (Org.). Trabalho, logo existo. Perspectivas feministas. Rio de Janeiro: FGV Editora (307-318).

Louro, G. L. (1997). Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis: Vozes.

Medeiros, G. M. da H., & Leitão, M. do R. de F. A. (2020). As lacunas de gênero na docência das ciências agrárias. In S. A. de S. Monteiro (Org.). Relações de gênero e as subjetividades em contextos culturais 2. Ponta Grossa: Atena Editora.

Minasi, S. M., & Censon, D. (2020). Mulheres na academia do turismo no Brasil. [Boletim. Estudos Acadêmicos]. Curitiba, PR: OBSTUR/PR. Recuperado em 18 de março de 2021 de https://obsturpr.ufpr.br/portal/estudos-academicos/

Moscardi, E. H., Rangel, B. S., Nakatani, M. S. M., & Silveira, C. E. (2020). A formação superior em Turismo no Brasil: trajetória e satisfação dos egressos. In S. J. G. Anjos, N. P. Angeli, & F. A. Anjos. (Org.). Turismo, competências profissionais e mercado de trabalho. Itajaí/SC: UNIVALI, 88-93.

Moschkovich, M. B. F. G. (2018). Feminist Gender Wars: The reception of the concept of gender in Brazil (1980s-1990s) and the global dynamics of production and circulation of knowledge. Tese de doutorado não-publicada, Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, Brasil.

Munar, A. M., Biran, A., Budeano, A., Caton, K., Chambers, D., Dredge, D., Gyimothy, S., Jamal, T., Larson, M., Nilsson Lindström, K., Nygaard, L., & Ram, Y. (2015). The Gender Gap in the Tourism Academy: Statistics and Indicators of Gender Equality. Tourism Education Futures.

Pagnussat, E. C., Medaglia, J., Silveira, C. E. (2020). Gênero e Turismo: um panorama dos estudos de mulheres e homens no mercado de trabalho. In Anais XV Fórum Internacional de Turismo do Iguassu. Foz do Iguaçu/PR, Brasil. https://bityli.com/7426U

Perrot, M. (2019). Epílogo. Escrever a história do trabalho das mulheres. In M. Maruani (Org.). Trabalho, logo existo. Perspectivas feministas. Rio de Janeiro: FGV Editora (319-326).

Pinto, É. J. S. (2019). Relações de gênero na carreira acadêmica em Engenharia Civil. Tese de doutorado não-publicada, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil.

Quadlin, N. (2018). The Mark of a Woman's Record: Gender and Academic Performance in Hiring. American Sociological Review, 83(2), 331–360. https://doi.org/10.1177/0003122418762291

Reis, C. U. F. dos (2020). O trabalho de cozinheiras, cozinheiros e chefs em cozinhas profissionais: reflexões a partir da perspectiva de gênero. Dissertação de mestrado não-publicada, Programa de Pós-Graduação em Turismo, Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, PR, Brasil.

Sardenberg, C. M. B. (2004). O trabalho feminino no Brasil: desigualdades de gênero e contrastes regionais. In Sardenberg, C. M. B. (Org.). A face feminina do complexo metal-mecânico: mulheres metalúrgicas no norte e nordeste. Salvador: NEIM/UFBA:REDOR:CNM/CUT, 01, 27-50. Recuperado em 30 de abril de 2021 de https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/6872

Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Shapiro, J. R., & Williams, A. M. (2012). The role of stereotype threats in undermining girls' and women's performance and interest in STEM fields. Sex Roles: A Journal of Research, 66(3-4), 175–183. https://doi.org/10.1007/s11199-011-0051-0

Silveira, C. E., Medaglia, J., & Gândara, J. M. G. (2012). Quatro décadas de Ensino Superior de Turismo no Brasil: dificuldades na formação e consolidação do mercado de trabalho e a ascensão de uma área de estudo como efeito colateral. Revista Turismo Visão e Ação – Eletrônica, 14(1). https://doi.org/10.14210/rtva.v14n1.p006-018

Silveira, C. E., Medaglia, J., & Nakatani, M. S. M. (2020). Labour market for tourism graduates: comparisons between 2012 and 2018 data. Brazilian Journal of Tourism Research, 14(2). https://doi.org/10.7784/rbtur.v14i2.1779

Swain, M. B. (2016). Embodying cosmopolitan paradigms in tourism research. In A. M. Munar & T. Jamal. Tourism research paradigms: Critical and emergent knowledges. Tourism Social Sciences Series, 22, WA, UK: Emerald.

Trusz, S. (2020). Why do females choose to study humanities or social sciences, while males prefer technology or science? Some intrapersonal and interpersonal predictors. Social Psychology of Education, 23, 615–639. https://doi.org/10.1007/s11218-020-09551-5

Veal, A. J. (2011). Metodologia da pesquisa em lazer e turismo. São Paulo: Aleph.

Vianna, C. P. (2013). A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In Yannoulas, S. C. (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília, DF: Abaré, 159-180. Recuperado em 17 de março de 2021 http://www.producao.usp.br/handle/BDPI/44242.

Weber, M. (1979). A objetividade do conhecimento nas ciências sociais. In G. Cohn (org.) Weber, Coleção Grandes cientistas sociais, São Paulo: Ática.

Downloads

Publicado

2022-01-19

Edição

Seção

Artigos - Turismo e Sociedade